SBD comemora 110 anos de história dedicada à dermatologia e ao povo brasileiros



Selo-110-anos-1200x842.jpg

8 de fevereiro de 2022 0

Em 2022, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) celebra 110 anos de história. Com trajetória repleta de inovações e conquistas, a entidade atua ativamente na qualificação dos profissionais da especialidade no Brasil, como foco na atualização científica e tecnológica. Além disso, ela trabalha pela ampliação do acesso ao atendimento dermatológico nas redes pública e privada, bem como pela oferta de condições de trabalho às equipes que atendem no Sistema Único de Saúde (SUS) e nos planos de saúde.

“A pauta de trabalho da SBD é ampla, assim como é o engajamento dos especialistas e de nossa entidade na assistência aos brasileiros que buscam cuidados para seus problemas de saúde que afetam pele, cabelos e unhas. Graças a este empenho, individual e coletivo, os dermatologistas têm alcançado avanços que os tornam exemplos para o País”, destacou Mauro Enokihara, presidente da Sociedade.

Há 11 décadas, em 4 de fevereiro de 1912, nascia o que hoje é a principal entidade médica da dermatologia brasileira, e uma das maiores do mundo. Com o estatuto registrado logo no dia seguinte, em 5 de fevereiro, a SBD passou a trabalhar já com 81 sócios efetivos em seu primeiro ano de atividade. Hoje, a Sociedade congrega mais de 10 mil dermatologistas de todo o país, contribuindo com o avanço da ciência e o desenvolvimento da especialidade a partir de estudos originais, oferta de cursos e treinamentos, realização de campanhas e qualificação dos serviços disponibilizados à população brasileira.

Produção – Em todos esses anos, a atualização dos especialistas foi compreendida como uma das prioridades da SBD. Responsável pela mais importante revista científica do segmento no Brasil, a entidade publica, desde 1925, os Anais Brasileiros de Dermatologia (ABD). O compromisso da SBD com a ciência ganhou ainda mais força a partir de 2009, quando a entidade publicou, pela primeira vez, a Surgical & Cosmetic Dermatology, revista médica que difunde a experiência brasileira nas áreas de cirurgia dermatológica e cosmiatria.

Segundo o vice-presidente Heitor de Sá Gonçalves, “essa potência na produção científica muito se relaciona ao nosso intercâmbio com a academia. Temos orgulho em dizer que, em 2021, atingimos a marca de 92 serviços credenciados pela SBD em todo o Brasil. Esses programas de especialização e residência médica recebem a garantia de uma organização com mais de um século de tradição”.

Campanhas – Além das publicações e títulos científicos, outra importante forma de atuação da SBD são as campanhas temáticas, formuladas para intensificar os cuidados acerca de determinadas doenças. Destacam-se, nesse sentido, a campanha de conscientização sobre hanseníase (Janeiro Roxo); a campanha de Psoríase, realizada sempre no mês de outubro; e a campanha de prevenção ao câncer de pele (Dezembro Laranja); entre outras.

Para garantir a eficácia dessas ações, a entidade tem ampliado, a cada ano, ações estratégicas em busca de maior interlocução com o Congresso Nacional, o Poder Executivo, as agências de regulação e outras instituições. Esse esforço inclui ainda medidas na área da comunicação, que tem aumentado a visibilidade institucional e seu espaço no debate público sobre temas relacionados à saúde.

Apenas em 2021, houve mais de 3,5 mil citações diretas à SBD, em matérias e reportagens publicadas em alguns dos principais veículos de comunicação do País. Assim, além dos canais tradicionais, as redes sociais já somam quase 300 mil seguidores.

Comemoração – Para comemorar seus 110 anos de história, a entidade preparou uma série de iniciativas para os associados e para o público em geral, as quais serão lançadas ao longo de 2022. No entanto, algumas delas já foram apresentadas. Por exemplo, presenteando toda a sociedade, o site oficial da SBD foi reformulado, ganhando um layout moderno e vários outros aperfeiçoamentos.

As redes sociais também serão tomadas por peças gráficas e posts que valorizam esse centenário. A gestão da SBD também enviou mensagens de agradecimento aos associados, ou seja, àqueles que ajudaram a construir a história da dermatologia brasileira, acompanhados de cartões que facilitam a identificação dos médicos em formato digital.

Essas peças substituem cartões de visita de maneira sustentável. Com a tecnologia, o dermatologista poderá compartilhar em fração de segundos suas credenciais com amigos, pacientes e contatos profissionais. Além dele, os membros da SBD também receberão kits digitais e vão poder contribuir com a realização do projeto SBD Verde, que pretende estimular o plantio de árvores em todo o País, reforçando a proteção do meio ambiente.

Outras iniciativas preveem a realização de pesquisas e o uso inteligente de informações para traçar cenários de assistência também serão utilizados ao longo dos próximos meses. Também estão sendo concluídos projetos de conteúdo de educação continuada e informativo para divulgação nos meses próximos.

“Queremos que todos se sintam convidados a celebrar não só os 110 anos de existência da SBD, mas todo o significado que damos à ciência brasileira enquanto especialidade médica. Esse é um momento de orgulho, onde comemoramos um legado construído por todos nós, dermatologistas”, destacou o presidente Mauro Yoshiaki Enokihara.

jr2021_bannerHomeAcoes.png

11 de janeiro de 2022 0

No dia 13 de janeiro, haverá uma live, organizada pela SBD, com foco no público leigo. A transmissão, prevista para começar às 19h, ocorrerá por meio dos perfis da entidade nas redes sociais (Youtube, Facebook e Instagram). Durante a conversa com a população, os especialistas pretendem ressaltar a importância de prevenir e combater a hanseníase.

Eles apresentarão detalhes da campanha do Janeiro Roxo deste ano e responderão às dúvidas que forem encaminhadas por meio de chats. A intenção é esclarecer questões relacionadas ao diagnóstico e ao tratamento da hanseníase. Também devem ser abordados temas como o preconceito e o estigma que ainda existe contra as pessoas afetadas.

Convidados – A transmissão contará com a presença do presidente da SBD, Mauro Enokihara. Também participarão: Heitor de Sá Gonçalves (vice-presidente), Sandra Durães (coordenadora do Departamento de Hanseníase), Carmelita Ribeiro Filha (coordenadora Geral de Hanseníase e Doenças em Eliminação do Ministério da Saúde) e Arthur Custódio de Souza (coordenador do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase – Morhan).

Também está confirmada a participação de Caroline Teixeira, a Miss Brasil Mundo 2021 e embaixadora da luta contra a hanseníase. Recentemente, em uma das etapas da competição internacional, realizada em Porto Rico, ela se apresentou com roupas roxas, em homenagem à luta contra a doença, e portou brincos produzidos por mulheres atingidas pela hanseníase que são acompanhadas por projeto social em Rondônia.

Conexão SBD – Além dessa live, para o público leigo, outras duas interações deste tipo serão organizadas pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, neste mês. No dia 18 de janeiro, ocorrerá uma edição especial do Conexão SBD, com foco na discussão de temas técnicos e clínicos relacionados à doença.

No sábado, dia 29 de janeiro, será realizada outra atividade com ênfase na participação de médicos não dermatologistas que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS), em especial nos serviços da Atenção Primária. Este encontro terá como foco a discussão sobre casos clínicos, como forma de melhorar a qualificação das equipes de atendimento.

 

jr2021_news06-1200x675.jpeg

6 de janeiro de 2022 0

No Brasil, a cada ano, mais de 30 mil pessoas são diagnosticadas com hanseníase. Esse índice deixa o País no segundo lugar do ranking mundial dessa doença, superado somente pela Índia. Contudo, especialistas acreditam que o número de pessoas acometidas pode ser ainda maior. Para reverter esse quadro, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realiza em janeiro uma campanha sobre o tema.

CONHEÇA O SITE DA CAMPANHA JANEIRO ROXO.

O mote – “Precisamos falar sobre hanseníase” – é um estímulo ao debate desse problema de saúde pública. A intenção é alertar e conscientizar a população, além de combater o estigma e o preconceito sobre essa doença negligenciada.

Conscientização – Durante o Janeiro Roxo (cor que simboliza a luta contra a hanseníase), os dermatologistas brasileiros divulgarão informações de utilidade pública, preparadas pelos especialistas para conscientizar a população sobre a doença. Além de peças distribuídas nas redes sociais, serão divulgados vídeos e podcasts sobre o assunto e realizadas lives nas quais a população e profissionais de saúde poderão assistir e encaminhar suas dúvidas. Médicos também poderão participar de cursos de capacitação assistindo aulas sobre a clínica, exame neurológico simplificado, reações e tratamento da doença.

“A hanseníase é infecção curável, de prognóstico muito bom, na maior parte dos casos. Isto acontece pois está diretamente ligada ao tempo de evolução da doença, ou seja, quanto mais tarde for o diagnóstico, maior a possibilidade de dano neural, às vezes, irreversível. Portanto, é muito importante que a população seja informada sobre os principais sinais e sintomas da doença e procure assistência médica o mais precocemente possível. Neste sentido, a campanha do Janeiro Roxo tem papel importante”, observa o vice-presidente da SBD, Heitor Gonçalves.

Segundo Heitor, a SBD tem papel essencial nesse processo, especialmente na capacitação das equipes que atuam nos postos de saúde. “Atualmente, a maioria dos casos são diagnosticados na Atenção Primária. E durante este processo, a colaboração dos dermatologistas da SBD, que possuem acurácia mais desenvolvida no diagnóstico das lesões cutâneas, tem sido fundamental no treinamento destes profissionais, principalmente, para o diagnóstico precoce. Contudo, a alta rotatividade das equipes treinadas gera a necessidade contínua de novas capacitações”, acrescentou o presidente da SBD, Mauro Enokihara.

Ações 2022 – Além da campanha digital e dos vídeos e podcasts, a SBD lançará ao longo do mês um Guia Ilustrado sobre a hanseníase, que terá como público alvo a população leiga e trará orientações gerais sobre sinais, sintomas, diagnóstico e tratamento. Outra iniciativa é a distribuição de uma Nota Técnica destinada aos médicos e equipes de saúde, com orientações gerais sobre o esquema terapêutico recentemente atualizado.

Os agentes públicos concordaram em iluminar vários prédios e monumentos de roxo, como forma de adesão à iniciativa que terá como ponto alto o dia 30 de janeiro (último domingo do mês), quando se comemora o Dia Mundial contra a Hanseníase e o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase, data instituída pela Lei nº 12.135/2.009.

Heitor de Sá Gonçalves ressalta a importância dessas datas, na simbologia da luta contra a hanseníase. Ele lembra que desde 2016, o Ministério da Saúde oficializou o mês de janeiro como o período dedicado à conscientização sobre essa doença, tendo escolhido a cor roxa para marcar a realização das diferentes atividades. “Desde o início, a SBD tem se engajado fortemente nessa campanha, fazendo chegar mensagens educativas à população e aos profissionais da saúde de todas as regiões do País”, arrematou.

A coordenadora do Departamento de Hanseníase da SBD, Sandra Durães, salienta que a informação é a chave para superar o desafio que a doença representa à saúde da população brasileira. “É importante que todos os profissionais de saúde saibam reconhecer os sinais e sintomas, como é feito o diagnóstico e apoiar o tratamento precoce. Com isso, podemos desarticular o preconceito que é injustificado e prejudica bastante”, frisa.

Sinais e sintomas – Doença infecciosa crônica, a hanseníase causa lesões de pele e danos aos nervos. Os principais sinais são manchas na pele, mais claras, vermelhas ou escuras; diminuição da sensibilidade no local das lesões, onde também pode haver a redução de pelos e diminuição/ausência de transpiração. As alterações dos nervos periféricos se manifestam também nas áreas onde não há lesões de pele com sensação de dormência e formigamento e/ou perda de força muscular nos olhos, nas mãos e nos pés. Nas fases agudas, podem aparecer caroços e/ou inchaços nas orelhas, nas mãos, nos cotovelos e nos pés.

O contágio pela hanseníase depende de contato direto e constante com um portador do bacilo, sem tratamento. A transmissão ocorre por meio de gotículas de saliva ou secreções do nariz, porém, tocar na pele não transmite a doença. Além disso, o risco aumenta em populações de maior vulnerabilidade social.

O contágio pela hanseníase depende de contato direto e constante com um portador sem tratamento. A transmissão ocorre por meio do contato com gotículas de saliva ou secreções do nariz, porém tocar na pele não transmite a doença. De modo geral, as populações com maior vulnerabilidade social são as mais suscetíveis a desenvolverem a doença.

Sandra Durães diz que o melhor caminho para conter o avanço da doença está no diagnóstico e tratamento precoces dos doentes. Ela ressalta que os pacientes com diagnóstico confirmado de hanseníase devem orientar pessoas próximas, como familiares, amigos e colegas de trabalho, para que sejam examinadas por um médico. “Esse cuidado é importante para identificar de forma precoce outros casos dentro de um mesmo grupo”, orienta.

Ela ressalta que o diagnóstico é feito em 70% dos casos pelo médico da Atenção Primária e envolve avaliação clínica e testes de sensibilidade e, em alguns casos, biópsia das lesões cutâneas e até mesmo de nervos periféricos. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito – que varia de seis meses a um ano – nos postos de saúde.


28 de outubro de 2021 0

Na semana em que o país estimula o debate em torno dos cuidados oferecidos aos pacientes com psoríase, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) chama a atenção para uma das formas mais graves e raras dessa doença. A psoríase pustulosa generalizada (PPG) afeta a saúde e qualidade de vida dos seus portadores, podendo até levar à morte em casos extremos. No Brasil, estima-se pelo menos 1.458 pacientes que apresentam sinais e sintomas dessa patologia, segundo dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus).

Neste grupo, a prevalência é um pouco maior nas mulheres (53%), sendo que os registros de PPG ocorrem de modo mais frequente após os 30 anos de idade. Dados de literatura estrangeira apontam grau significativo de letalidade da doença. Segundo estudos científicos, em 65% dos casos, os pacientes com psoríase pustulosa também têm psoríase vulgar.

Em linhas gerais, a forma vulgar é o tipo mais comum, com presença de lesões avermelhadas na pele, em formato de placas, que descamam. Também causa descamação, rachaduras, coceira, queimação e dor. Na PPG, as lesões da psoríase vulgar são acompanhadas de pústulas (bolhas com pus) e quando as bolhas rompem, surgem feridas.

De modo geral, os casos de psoríase são provocados por predisposição genética, precipitados por fatores ambientais ou de comportamento. Alguns gatilhos desencadeiam ou agravam crises: interrupção do uso de medicamentos, queimadura solar, presença de infecções virais (incluindo rinovírus e coronavírus), estresse e gestação. Importante destacar que é uma doença crônica e não contagiosa.

Gatilhos – Para o dermatologista Gleison Vieira Duarte, um dos coordenadores da Campanha Nacional de Conscientização sobre Psoríase, promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a psoríase vulgar pode se transformar na psoríase pustulosa. “Um dos gatilhos é o uso dos corticosteroides orais. Essas drogas podem ser empregadas de forma inadvertida, seja por automedicação ou desconhecimento acerca de uma não indicação do corticoide na psoríase vulgar”, disse.

O especialista acrescenta que, em algumas circunstâncias, após o tratamento com corticoide, o paciente pode ter transformada sua forma vulgar numa pustulosa. Ele explica que “neste caso, chamamos de psoríase pustulosa generalizada induzida pelo uso do corticosteroide. Algumas outras drogas também podem, em casos raros, provocar essa indução, como antidepressivos, lítio, entre outras”.  

Por sua vez o dermatologista Ricardo Romiti, também do time de coordenação da Campanha da SBD, comenta que o diagnóstico da PPG é clínico. "O exame dermatológico feito de forma muito detalhada ajuda no diagnóstico. Nos casos de dificuldade, é feita uma biópsia, seguido do exame histopatológico. Também costumam ser realizados exames subsidiários para, por exemplo, afastar outros problemas de saúde da pele”. Mesmo assim, o diagnóstico pode ser difícil, podendo-se confundir a psoríase com outras infecções.

Gleison Duarte também ressalta que a psoríase, nos casos mais graves, pode ser dolorosa e trazer risco de morte. "As manifestações da psoríase pustulosa podem ser somente na pele. Elas podem estar distribuídas em qualquer parte do corpo, por isso têm o nome de psoríase pustulosa generalizada, com ou sem a presença de sintomas. Neste caso, pode haver febre e mal-estar, ou sintomas que podem levar o paciente à hospitalização. Em 7% dos casos, os pacientes com a forma generalizada podem vir a óbito, o que está muito associado a alterações de desidratação, infecções secundárias e alterações dos eletrólitos, como sódio, potássio, entre outros", explicou.

A gravidade da PPG gera impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes, nas funções físicas, vitalidade e saúde mental, incluindo ansiedade e depressão. "O impacto psicológico é muito grande, eu diria que é devastador. As pústulas dão ao paciente a sensação de nojo da sua própria pele, de não querer ter contato com ninguém. O odor fétido que pode resultar dessas pústulas acaba prejudicando o convívio dentro de casa. Além do receio relacionado à gravidade da doença, a falta de tratamentos eficazes aprovados em bula, que realmente sejam direcionados a essa patologia. Então, são muitos os impactos psicossociais gerados por uma doença tão aguda e grave como essa", enfatizou Vieira Duarte.

Tratamento – Para os especialistas da SBD, há tratamentos que podem ser utilizados para a psoríase pustulosa generalizada. No entanto, devido à raridade da doença, todos esses tratamentos são com medicamentos off label, ou seja, que não seguem as indicações homologadas na bula. Além disso, eles são adaptados do tratamento da psoríase vulgar.

"Diante desse cenário, temos preferencialmente escolhido drogas com início rápido, como a ciclosporina e o infliximabe, que são de uso off label, mas também são utilizados a acitretina e o metotrexato quando há a possibilidade de se utilizar drogas de início de ação mais lento. À medida que entendemos mais sobre a psoríase pustulosa generalizada, observamos que ela tem uma característica imunológica distinta da psoríase vulgar", salientou Gleison Vieira, ao destacar a responsabilidade do dermatologista no atendimento desses pacientes.

Ricardo Romiti explicou que da mesma forma que há os tratamentos imunobiológicos para o controle da psoríase em placas, estão em desenvolvimento novos imunobiológicos para o controle da psoríase pustulosa generalizada. "Essas drogas ainda não estão disponíveis no mercado, mas estão em fase avançada de estudo e parecem ter um perfil de eficácia e segurança muito satisfatórios. Enquanto essas drogas não chegam ao mercado, nesses casos mais graves nós acabamos fazendo uso dos mesmos imunobiológicos que nós temos aprovados para a psoríase para tentar controlar o quadro".

bannersitenoticiacamppasoriase-07_545x310.jpg

22 de outubro de 2021 0

Alertar a população sobre uma doença de pele que afeta cerca de 5 milhões de pessoas no País, em especial nos grupos de 30 e 40 anos e 50 e 70 anos, sem distinção quanto ao gênero. Esse é o objetivo da Campanha Nacional de Conscientização sobre a Psoríase, lançada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). A iniciativa engloba uma série de ações que ocorrerão durante o mês de outubro e tem como alvo também atualizar os médicos sobre as opções existentes para o diagnóstico e o tratamento dessa doença.

“Queremos deixar claro para todos que a psoríase tem tratamento, pode ser controlada. O melhor de tudo: graças ao trabalho da SBD e de outras organizações da sociedade, o SUS e os planos de saúde diponibilizaram para os pacientes acesso a medicamentos de alta eficácia, os chamados imunobiológicos. Ao contrário de anos anteriores, em 2021, temos um motivo para comemorar”, resumiu o coordenador Nacional da Campanha, André Carvalho.

A estratégia desenvolvida pela SBD inclui postagens (textos e vídeos) nas redes sociais, o compartilhamento de vídeos de especialistas com esclarecimentos sobre a doença e a participação de celebridades com depoimentos sobre o tema. A cantora Kelly Key, que tem o diagnóstico de psoríase, e o jornalista Fernando Rocha estão entre as personalidades que emprestaram sua imagem e voz para alertar os brasileiros sobre os cuidados.

A SBD também preparou uma live para a população, no dia 29 de outubro, quando interessados poderão interagir com especialistas. Além disso, vários prédios e monumentos também vão iluminar suas estruturas em roxo e laranja, as cores da psoríase. Entre eles, estão o Congresso Nacional, e o Palácio do Buriti (sede do Governo do Distrito Federal), em Brasília; a sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), na capital paulista; a prefeitura de Belo Horizonte e a Fonte Cruzeiro do Sul, na Praça da Liberdade, ambos na capital mineira;  e o Teatro Amazonas, em Manaus. Prefeituras órgãos públicos e outras entidades também vão compartilhar as mensagens de prevenção em seus canais de comunicação.

Para os dermatologistas, a SBD desenvolveu duas abordagens. A primeira é a realização de uma live, durante a qual serão compartilhadas as mais recentes atualizações científicas e terapêuticas para o diagnóstico e o tratamento da psoríase. Da mesma forma, os profissionais serão alertados, por meio de mensagens, sobre a disponibilidade de medicamentos modernos e de alta performance na rede pública e nos planos de saúde.

Psoríase – A psoríase é uma doença da pele, relativamente comum, crônica, não contagiosa e que tem tratamento. Trata-se de um quadro autoinflamatório, no qual por predisposição genética, surgem lesões avermelhadas e que descamam na pele. Aspectos ambientais e emocionais podem funcionar como gatilho para o início de crise, que podem ser controladas com a ajuda de dermatologistas.

O combate ao preconceito contra as pessoas que têm psoríase é um ponto importante na assistência aos pacientes, lembra André Carvalho. Segundo ele, por não ser contagiosa, o contato com os pacientes não precisa ser evitado. Além disso, ele destaca que a confirmação dessa doença significa que seu portador tem mais chances de desenvolver outras comorbidades.

“Em até 30% dos pacientes com psoríase, inflamação similar pode acontecer nas articulações, levando à artrite psoriásica, outra forma de manifestação da doença. Também existe associação de psoríase com doenças cardiometabólicas e gastrointestinais, assim como com diversos tipos de cânceres e distúrbios do humor, o que diminui a qualidade de vida do paciente e pode também, dependendo da gravidade, diminuir a expectativa de vida, se não tratados”, explicou.

Ciclos – Segundo André Carvalho, a psoríase se caracteriza por apresentar ciclos, ou seja, sintomas aparecem, desaparecem e reaparecem periodicamente. Entre eles, estão: manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas; pequenas manchas brancas ou escuras residuais após melhora das lesões avermelhadas; pele ressecada e rachada; às vezes, com sangramento; coceira, queimação e dor; unhas grossas, descoladas, amareladas e com alterações da sua forma (sulcos e depressões); inchaço e rigidez nas articulações; e em casos mais graves, destruição das articulações e deformidades. As manifestações variam, conforme a gravidade.

“Em casos de psoríase leve pode haver apenas um desconforto por causa dos sintomas, mas nas formas graves, pode ser dolorosa e provocar alterações que impactam significativamente na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Assim, o ideal é procurar tratamento o quanto antes”, enfatizou André Carvalho.

Alguns fatores podem aumentar as chances de uma pessoa desenvolver a doença ou piorar o quadro clínico já existente, dentre eles: histórico familiar, estresse, obesidade, tempo frio, infecções diversas, uso de medicamentos, consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo. “Há vários tipos de psoríase, sendo necessário procurar um dermatologista especializado no tratamento da doença para poder identificar, classificar e indicar a melhor opção terapêutica caso a caso”, salientou o coordenador da Campanha da SBD.

Tratamento – Há inúmeras opções de tratamento (tópicos, sistêmicos, biológicos e com fototerapia) para a psoríase. A escolha terapêutica da melhor para cada caso deve sempre ser feita por um médico dermatologista. De acordo com André Carvalho, “cada situação pode de forma diferente a um tipo diferente de tratamento (ou combinação de terapias). O que funciona bem para uma pessoa não necessariamente funcionará para outra. Dessa forma, o tratamento da psoríase é individualizado. Hoje, com as diversas opções terapêuticas disponíveis, já é possível viver com uma pele sem ou quase sem lesões, independentemente da gravidade da psoríase”.

Outro ponto importante, destacado pelo coordenador, é a necessidade de adesão ao tratamento por parte do paciente. “Nunca se deve interromper o tratamento prescrito sem autorização do médico. Esta atitude pode piorar a psoríase e agravar a situação. É fundamental estar atento. Caso perceba qualquer um dos sintomas, procure o dermatologista imediatamente. Quanto mais precoce for o diagnóstico, mais precoce será o tratamento e menores os riscos de impacto da doença sobre a qualidade e quantidade de vida”, finalizou.


23 de setembro de 2021 0

Três em cada dez brasileiros acreditam que a dermatite atópica, uma doença caracterizada por pele seca, lesões avermelhadas e coceira intensa, é um problema de saúde contagioso, ou seja, que pode ser transmitido pelo contato direto. Essa visão equivocada indica o preconceito com respeito a esse quadro que afeta de 15% a 25% das crianças e cerca de 7% dos adultos. A conclusão aparece em pesquisa, divulgada nesta quinta-feira (23) pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).  O trabalho foi realizado pelo Instituto Datafolha, com apoio institucional da biofarmacêutica AbbVie.

Nesta data (23/09), quando se comemora o Dia da Conscientização da Dermatite Atópica, a SBD revela que na percepção de 47% da população, essa enfermidade é causada por maus hábitos de higiene; 46% acreditam, erroneamente, que o paciente não poderia ter contato com crianças; e 36% entendem que pessoas com manifestações visíveis não deveriam sair de casa, ir à escola ou ao trabalho. No entendimento de 33%, elas não poderiam até mesmo usar o transporte público.

“É preciso combater o preconceito contra pessoas que apresentam a dermatite atópica. Trata-se de um problema de saúde que causa desconforto, mas pode ser tratado com a ajuda de médicos dermatologistas, com o apoio de outros profissionais da saúde. Neste processo, os pacientes devem ser respeitados em sua individualidade, evitando-se posturas agressivas ou restritivas contra eles”, ressaltou Mauro Enokihara, presidente da SBD, que neste mês promove uma campanha de conscientização sobre o tema. 

Percepção – O preconceito é mais um sintoma visível da dermatite atópica, conforme demonstra o estudo que ajuda a compreender um pouco sobre a percepção que cerca esse problema de saúde. Os dados demonstram que, apesar de relativamente comum em diferentes faixas etárias, a dermatite atópica (DA) ainda é desconhecida por boa parte dos brasileiros. A pesquisa mostra que menos da metade da população (37%) a reconhece, e mesmo entre este público o conhecimento ainda é parcial.

A falta de informação leva apenas 4% dos entrevistados que conhecem a doença a afirmarem corretamente que dermatite atópica e eczema atópico são sinônimos. Para 21% deles, trata-se de uma reação alérgica e outros 21% a veem apenas como uma doença de pele. No entanto, entre os que ouviram falar sobre eczema atópico, 58% não sabem o que é a enfermidade. 

Embora 59% dos brasileiros tenham apresentado pelo menos um dos sintomas característicos da dermatite atópica, o diagnóstico para esta doença ocorreu em apenas 1% dos casos. Outros 2% foram diagnosticados como alergia. Para o vice-presidente da SBD, Heitor de Sá Gonçalves, esse resultado revela duas situações.

“Em primeiro lugar, muitas pessoas não procuram a ajuda dos médicos para tratarem o desconforto causado pelas lesões e coceiras. Além disso, sabemos que há dificuldade de os próprios médicos reconhecerem os quadros que indicam a presença deste problema de saúde na população, o que impede o diagnóstico correto”, disse. 

Sintomas – Os dados confirmam este entendimento. A pesquisa revelou que cerca de metade dos adultos que apresentaram três ou mais sintomas de dermatite atópica não procurou um médico (53%). Entre os que procuraram ajuda especializada, 33% dos pacientes e 67% dos cuidadores (ou responsáveis por crianças até 15 anos) precisaram ir em dois ou mais médicos diferentes em busca do tratamento adequado. 

Tanto entre os adultos (32%) quanto entre as crianças (46%), o principal diagnóstico foi “alergia”. Por fim, ainda que apresentassem vários sinais, 34% dos adultos e 23% das crianças saíram das consultas sem diagnóstico, ainda que 44% dos pacientes e 54% dos cuidadores tenham alegado que a intensidade dos sinais e sintomas é moderada ou grave.

De acordo com o relato dos entrevistados, entre os pacientes adultos, 50% apresentam pelo menos quatro dos cinco sintomas da enfermidade como coceira (87%), pele seca (86%), pele irritada com vermelhidão (73%), descamação (55%) e ‘pequenas bolhas que se rompem e minam água’ (37%). Dentre eles, embora 28% relatem a presença de sintomas desde a infância, apenas 36% foram diagnosticados.

Entre os entrevistados com até dois sintomas, sete em cada dez não procuraram um médico (69%). Dos que buscaram, 26% dos adultos e 56% das crianças foram diagnosticados como alergia e 40% dos adultos e 52% das crianças não receberam nenhum diagnóstico, apenas recomendações e medicamentos.

Dermatologia – Com relação à especialidade da medicina indicada para tratar a dermatite atópica, os entrevistados reconhecem na dermatologia a mais preparada. Entre os brasileiros sem sinais da doença, 69% disseram que procurariam um dermatologista, 13% buscariam um clínico geral e 2% um alergista/imunologista. 

“A percepção dos entrevistados sobre a dermatologia como sendo a área mais preparada para diagnosticar e tratar a dermatite atópica serve de estimulo aos nossos especialistas para que continuem a se qualificar para o oferecer aos pacientes e seus familiares o melhor atendimento”, finalizou o presidente da SBD. 

A pesquisa do Datafolha ouviu 1.001 pessoas de todas as regiões do país, por telefone, entre 9 e 23 de outubro de 2020. A margem de erro máxima para o total da amostra é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, com um nível de confiança de 95%. Com idade média de 43 anos, esse grupo foi composto por 52% de mulheres, com idade média de 43 anos e 49% com renda familiar de até dois salários mínimos. Deste universo, 67% são economicamente ativos, sendo 19% assalariados registrados e 12%, trabalhadores temporários. 


13 de setembro de 2021 0

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realiza entre 14 e 30 de setembro diversas ações para a atualização e conscientização de médicos e da população sobre a dermatite atópica (DA).  A campanha inclui a postagem de conteúdos (posts e vídeos) nas redes sociais, a realização de lives sobre o tema, a sensibilização de gestores sobre a importância de qualificar a assistência dos pacientes com este quadro e a divulgação em massa de dados e informações que ajudam a entender o desafio de se diagnosticar e tratar esta doença, em suas diferentes formas.

Sob o slogan "Dermatite atópica: atenção e cuidado com a sua pele", a campanha tem início em 14 de setembro, data mundialmente dedicada à conscientização sobre esta doença. Nas semanas seguintes, a SBD abordará a população sobre aspectos, como o caráter imunomediado da DA, que a torna uma doença não contagiosa. Também serão ressaltados a identificação de sinais e sintomas e as medidas que ajudam no controle do desconforto causado por conta da coceira, espessamento da pele, inflamação de áreas afetadas e recorrência dos quadros.

Em 23 de setembro, Dia Nacional de Conscientização sobre Dermatite Atópica, a SBD realiza uma live – voltada para a população em geral – onde estas e outras questões serão abordadas por especialistas convidados. O encontro, organizado em parceria com a revista Crescer, terá atenção especial para os casos de DA no público infantil. A transmissão ocorrerá, entre 19h30 e 20h30, pelos perfis da publicação no Facebook e no Instagram.

Além dessa abordagem, a SBD divulgará uma série de vídeos curtos em que dermatologistas responderão de forma objetiva dúvidas comuns de pacientes e familiares. Para os associados à instituição, uma atividade feita sob medida acontecerá no dia 21 de setembro, quando, em outra live, os participantes terão acesso a informações técnicas e científicas atualizadas, o que ajudará no aperfeiçoamento da sua conduta clínica e de suas escolhas terapêuticas. A campanha conta com o apoio institucional da Sanofi, Lilly, Abbvie e Pfizer.

Ao longo do mês, outras iniciativas serão realizadas pela SBD em torno deste tema de saúde pública. Dentre elas, a divulgação dos resultados de uma pesquisa sobre a percepção dos brasileiros sobre essa doença. Para o presidente da SBD, Mauro Enokihara, esta campanha supre uma lacuna no que se refere à conscientização dos brasileiros sobre o que é a dermatite atópica. "Apesar de atingir milhões de pessoas, em algumas situações de forma grave, esta doença não costuma ser discutida com a profundidade que merece. Isso implica em prolongar situações de perda de qualidade de vida e de bem-estar para pacientes. Esperamos que com este alerta esta situação mude", disse.

Dermatite – A dermatite atópica é uma doença genética, crônica e não contagiosa. Entre seus sintomas estão: pele seca e erupções que coçam, provocando a descamação da região afetada. Ela acomete principalmente braços, joelhos e pescoço. Rosana Lazzarini, assessora do Departamento de Alergia Dermatológica e Dermatoses Ocupacionais da SBD, destaca que, apesar do incômodo, este problema de saúde dermatológico tem tratamento.

Segundo conta, o tratamento a ser prescrito dependerá da idade do paciente e da gravidade da dermatose. "Podem ser utilizadas medicações com ação anti-inflamatória, aplicadas diretamente na pele, por alguns períodos. São cremes ou pomadas (corticosteróides e inibidores da calcineurina) que devem ser adequados à faixa etária do usuário e à localização das manifestações da DA", ressaltou.

Em alguns casos, os médicos podem indicar ainda medicações orais, na tentativa de reduzir a coceira. Eventualmente, ainda há possibilidade de uso de antibióticos, quando há infecção concomitante. Já o emprego de emolientes e hidratantes é indicado para todos, independentemente da idade. Estes produtos podem ser aplicados de forma constante sobre a pele, em todas as faixas etárias. A assessora alerta ainda para outras medidas que ajudam a evitar o surgimento de lesões e coceira: a adoção de sabonete suave (com pH próximo ao da pele) e o controle da temperatura da água do banho, que não deve ser quente.

Em situações de maior gravidade, a assessora do Departamento avisa serem necessários tratamentos mais complexos, como fototerapia (uso de radiação ultravioleta de maneira controlada), que auxilia a diminuir a inflamação da pele; e prescrição de imunossupressores (metrotexato, ciclosporina, azatioprina) e de imunomoduladores (dupilumabe, inibidores de JAK). Assistência em ambiente hospitalar não é descartada: "internações podem ser necessárias em casos muito graves, para controle da doença", afirmou.

Cuidados – Por ser de origem genética, até o momento, são desconhecidas formas objetivas de prevenção à dermatite atópica. Por conta disso, a especialista da SBD chama a atenção para a importância das medidas de tratamento e controle da doença. Neste sentido, independentemente de diagnóstico, Rosana Lazzarini acredita que a hidratação da pele é uma prática que deve ser incorporada à rotina desde cedo, assim com a adoção de banhos rápidos, com água morna ou fria, e o uso de sabonetes suaves.

Ela lembra ainda a influência que o ambiente tem sobre a doença. O calor em excesso piora as lesões. Por sua vez, o clima frio e seco aumenta o ressecamento da pele, o que agrava a coceira relacionada. Sabe-se ainda que a frequência da dermatite atópica atinge mais moradores de áreas urbanas do que os de regiões rurais. 

Rosana Lazzarini também chama atenção para o impacto que a dermatite atópica tem sobre a saúde mental de pacientes e familiares, bem como sobre a vida em sociedade. "A dermatite atópica traz impactos psicológicos, principalmente em casos mais intensos. Isso decorre de ser aparente e por causar distúrbios do sono. Pacientes com DA têm muita coceira nas lesões, o que não os deixa dormir de maneira adequada. Quando são crianças, os pais sofrem do mesmo problema, pois o incomodo causado prejudica o repouso de toda a família", complementa. 

Finalmente, a especialista enfatiza outro fator que dificulta a vida dos pacientes: a doença pode passar despercebida por médicos que não são dermatologistas. Assim, o atraso no diagnóstico, retardará também o início do tratamento. "O reconhecimento precoce da dermatite atópica pelo especialista é fundamental para uma melhor qualidade de vida do paciente. Portanto, esta campanha da SBD reforça a necessidade de termos mais ações de esclarecimento e difusão sobre a doença, inclusive entre os profissionais da medicina", finaliza.


13 de julho de 2021 0

Evitar a exposição do paciente a procedimentos desnecessários ou que podem causar danos à saúde e dar suporte aos médicos na escolha das opções terapêuticas para diferentes problemas de saúde que afetam a pele. Esses são os objetivos de uma série de dez recomendações que estão sendo divulgadas pelo projeto Choosing Wiley Brasil, que conta com o apoio e participação da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

ACESSE AQUI O CONJUNTO DE RECOMENDAÇÕES

A campanha é uma iniciativa da American Board of Internal Medicine Foundation (ABIM Foundation), dos Estados Unidos, que, desde 2012, já rendeu parcerias com entidades médicas de 25 países. Em 2020, a SBD foi convidada a analisar uma série de procedimentos e abordagens clínicas para identificar aquelas que podem representar risco nos tratamentos ou possuem baixo valor terapêutico.

O presidente da SBD, Mauro Enokihara, considera este projeto relevante ao divulgar de forma ampla critérios que ampliam a segurança e a eficácia nos cuidados oferecidos aos pacientes. “Além disso, fica fortalecido o papel de uma sociedade médica – como a de dermatologia – como fonte confiável de informação. Trata-se de uma contribuição para qualificar a assistência em saúde para a população”, ressaltou.

Benefícios – Nesta primeira participação da SBD, o foco recaiu sobre tratamentos e condutas referentes à dermatologia clínica. Entre as recomendações estão: não prescrever antibióticos tópicos como monoterapia para o tratamento de acne e não usar antibiótico sistêmico para eritema e edema bilateral de membros inferiores sem evidência de infecção.

Além disso, há outras sugestões úteis à clínica dermatológica. Por exemplo, no caso da condução da acne, se necessário, o uso de antibiótico tópico deve ser associado a agentes como retinoides e peróxido de benzoíla, por curto período. Psoríase vulgar, hipovitaminose D, tínea do couro cabeludo, herpes zoster, rosácea e úlceras crônicas são outras doenças abordadas pelas recomendações da campanha.

Riscos – Para chegar à lista de dez recomendações, 13 especialistas convidados pela SBD se dedicaram nos últimos meses a avaliar os temas que compõem o relatório final a partir das percepções de médicos e pacientes sobre as práticas analisadas. O processo foi rigorosamente documentado, com prioridade a testes, procedimentos ou tratamentos utilizados com bastante frequência.

Na primeira fase do trabalho, o grupo de especialistas – que contou com dermatologistas de todo o país, bem como residentes dos Serviços de Dermatologia da Santa Casa de Curitiba e do Rio Grande do Sul – elaborou uma lista com 50 recomendações. Posteriormente, essa relação foi submetida à avaliação dos associados da SBD por meio de votação aberta, restando as dez que estão sendo divulgadas.

O grupo teve a coordenação do médico dermatologista Hélio Miot e participação dos seguintes especialistas: Andrea Ramos (Minas Gerais), Clívia Carneiro (Pará), Paulo Criado e Luciana Abbade (São Paulo), Caio de Castro (Paraná), Magda Weber e Renan Bonamigo (Rio Grande do Sul), Mayra Ianhez (Goiás) e Pedro Dantas (Sergipe).

Também participaram os residentes Camila Saraiva Almeida, do Serviço de Dermatologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Paula Hitomi Sakiyama e Thiago Augusto Ferrari, ambos do Serviço de Dermatologia do Hospital Santa Casa de Curitiba.

“O trabalho foi feito com muito critério. Todos devem colaborar com este trabalho, divulgando as orientações entre médicos e pacientes. Desta forma, teremos uma melhor assistência para toda a população”, concluiu Mauro Enokihara.

 


15 de junho de 2021 0

A implementação de um programa de capacitação de médicos da Atenção Primária, que atuam na Estratégia da Saúde Família (ESF), para identificarem casos de hidradenite supurativa (HS) de forma precoce é um dos projetos que a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) pretende desenvolver até o fim de 2022. Além disso, a SBD pretende estimular os serviços de programas de residências credenciados à entidade a abrirem suas agendas para o atendimento dos pacientes com suspeita desse diagnóstico. Com essas medidas, anunciadas no mês de conscientização contra esse problema, espera-se qualificar a assistência e oferecer melhores condições de tratamento para a população.

Estimativas apontam que cerca de 2 milhões de brasileiros (em torno de 1% da população) convivem com a hidradenite supurativa, também conhecida como espinha invertida. Por conta de dificuldades de acesso da população à assistência capacitada para identificação dos casos, os pacientes com esse transtorno demoram, em média, 12 anos para saberem exatamente o que os acomete. Com isso, é retardado o início do tratamento e o controle efetivos da HS.  

Sensibilização – Em junho, a SBD está veiculando uma campanha de sensibilização sobre o tema nas redes sociais, o que tem chamado a atenção da população. Com o uso de vídeos e peças, se busca orientar homens e mulheres sobre as formas de manifestação, prevenção e tratamento da doença. Neste sentido, o vice-presidente da SBD, Heitor de Sá Gonçalves, alerta: o diagnóstico precoce da hidradenite supurativa é essencial para a melhora da qualidade de vida dos pacientes.

Por isso, além do treinamento dos profissionais, a Sociedade avalia ainda outras estratégias, como o uso sistemático da telemedicina para orientar os médicos da rede pública, que não são dermatologistas, no encaminhamento de casos suspeitos. “Precisamos orientar nossos profissionais sobre os aspectos que devem ser observados no exame clínico dos pacientes, o que na maioria das vezes é suficiente. É pouco frequente a necessidade de biópsias”, afirma Sá Gonçalves.

Remédios – Com tratamento reconhecido e abordagens terapêuticas com resultados concretos, os pacientes precisam do diagnóstico definitivo para usarem a medicação adequada para cada caso. Segundo o vice-presidente da SBD, “apesar de constarem do rol de serviços da rede pública, as pessoas ainda têm levado tempo para recebem os remédios que precisam. No Sistema Único de Saúde (SUS), os antibióticos e tratamentos tópicos são de difícil obtenção. Na rede pública, e também nos planos de saúde, os pacientes têm direito aos medicamentos imunobiológicos, indicados para aqueles que apresentaram falência terapêutica com o uso de medicação tradicional”.

A hidradenite supurativa é uma doença de pele crônica inflamatória, mais frequente em mulheres, após a puberdade. Ela se manifesta, preferencialmente, em áreas, como axilas, virilha, região genital, mamas e glúteos. Nestas partes do corpo, a pele tem uma maior concentração de uma glândula chamada sudorípara apócrina. Antes, acreditava-se que a hidradenite supurativa decorria da inflamação ou infecção destas estruturas. Na atualidade, estima-se que resulte da inflamação dos folículos pilosos.

Prevenção – As causas da hidradenite supurativa ainda não estão estabelecidas, mas ela é classificada como uma doença autoinflamatória (quando ocorre uma resposta inflamatória exagerada, que agride e danifica a pele e as estruturas associadas). Os especialistas acusam que histórico familiar, associação com outras alterações de saúde e alguns hábitos (tabagismo, obesidade e alimentação rica em carboidratos, açúcares e gordura animal, entre outros) influenciam no seu surgimento.

Desta forma, manter o peso adequado e não fumar são formas importantes de prevenção à doença. Além disto, as pessoas devem evitar o uso de roupas apertadas e o suor excessivo nestas áreas.  No dia a dia, os médicos e pacientes com queixas de problemas de pele devem estar atentos a formas de manifestação da hidradenite supurativa.

Dentre elas, estão o surgimento de lesões inflamadas e dolorosas, como nódulos ou caroços, que podem exigir abertura e drenagem de pus. Estas manifestações tendem a persistir e recidivar, de modo que uma mesma lesão pode inflamar e desinflamar várias vezes no mesmo local. Com o tempo, vão surgindo novas lesões, ao lado das antigas e, sobre estas (mais velhas), cicatrizes.

O manejo da hidradenite supurativa varia de acordo com sua gravidade. Antibióticos em cremes, ou mesmo via oral, são utilizados no tratamento, assim como o uso de imunobiológicos. Em algumas mulheres, o uso de anticoncepcionais hormonais pode ajudar. Há lesões crônicas, associadas ou não a cicatrizes, para as quais se indica o tratamento cirúrgico, de forma prioritária.

 

 


31 de maio de 2021 0

“Comprometa-se a parar de fumar durante a pandemia da covid-19”. Esse é o lema definido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado nesta segunda-feira (31 de maio). O slogan tem o intuito de alertar para os inúmeros efeitos deletérios do tabagismo, destacando o fato do fumante – de qualquer produto derivado do tabaco – ter mais chance de desenvolver covid-19 em suas formas graves.

Devido à importância fundamental do engajamento de médicos e demais profissionais de saúde na disseminação dessas informações e em ações para encorajar fumantes a interromper o tabagismo, a Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou uma carta para sensibilizar e promover mobilização em torno do tema. A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), atenta à questão, reitera as recomendações da AMB e convoca seus associados a também aderirem à causa, inclusive divulgou vídeo nas redes sociais onde faz o alerta à população.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A CARTA NA ÍNTEGRA

Conforme ressalta a carta divulgada, o tabagismo é considerado uma doença crônica, representada pela dependência à droga nicotina presente nos produtos derivados do tabaco. É a maior causa evitável de doença e morte no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Anualmente, morrem mais de 7 milhões de pessoas em função do tabagismo ativo e 1,2 milhão por tabagismo passivo. No Brasil, são estimadas cerca de 156 mil mortes anuais (428 mortes por dia).

“Desde o início da pandemia causada pelo SARS-CoV-2, diversos estudos seguem em andamento. Diversos deles têm demonstrado que fumantes têm uma chance 2 a 3 vezes maior de desenvolver covid-19 grave, pois já podem apresentar redução da capacidade pulmonar ou mesmo doenças pulmonares crônicas, doenças cardiovasculares, diabetes e câncer”, alerta o documento assinado pelas AMB.

Tabaco e pele – De acordo com a coordenadora do Departamento de Cosmiatria Dermatológica da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Alessandra Romiti, o ato de fumar afeta o corpo humano como um todo, inclusive a pele.

“É um hábito que causa dano oxidativo ao organismo e liberação de radicais livres – moléculas produzidas pelo corpo que reagem com outros componentes e causam envelhecimento. Assim como estresse e tomar sol em excesso, fumar aumenta a produção desses radicais livres. Quando uma pessoa acende um cigarro nem imagina o mal que causa para si e aqueles que estão no mesmo ambiente”, explica.

Mas o cigarro não provoca apenas isso. Como ressalta o presidente da SBD, Mauro Enokihara, “o tabagismo tem relação com aproximadamente 50 outras enfermidades, dentre elas vários tipos de câncer, doenças do aparelho respiratório e doenças cardiovasculares. É importante conscientizar nossos pacientes e incentivá-los a parar de fumar. Essa é a mensagem dos dermatologistas neste dia 31 de maio”.

 





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados