Subestimado, câncer de pele tem pelo menos 205 mil novos casos registrados nos últimos oito anos no País



array(4) { [0]=> string(84) "https://www.sbd.org.br/wp-content/uploads/2021/12/dl2021logocalendariov3_545x310.png" [1]=> int(545) [2]=> int(310) [3]=> bool(false) }

Subestimado, câncer de pele tem pelo menos 205 mil novos casos registrados nos últimos oito anos no País

6 de dezembro de 2021
dl2021logocalendariov3_545x310.png

Entre 2013 e 2021, essa doença gerou 374 mil internações na rede pública e foi a causa da morte de quase 32 mil brasileiros aponta análise feita pela Sociedade Brasileira de Dermatologia

06/12/2021 12:57

Pelo menos 205 mil brasileiros receberam diagnóstico de câncer de pele nos últimos oito anos. Neste mesmo período, os dados oficiais registram a morte 32 mil pessoas por conta dessa doença. As informações foram levantadas pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), que lança nesta semana a campanha Dezembro Laranja, de conscientização sobre o câncer de pele.

A análise sugere que os dados oficiais estejam subnotificados. Isso porque o Painel Oncologia Brasil, fonte das informações sobre diagnóstico, levou alguns anos para se impor como importante instrumento de gestão. Criado a partir da Lei 12.732/12, que estabelece prazos máximos para o início do tratamento de pacientes diagnosticados com câncer, o Painel só passou exigir o registro do diagnóstico de câncer de pele a partir de 2018. Antes disso, as informações não eram colhidas com o mesmo critério.

“No entanto, a falta de informações, que impacta no desenvolvimento de políticas públicas sobre o tema, persiste. Apesar da evolução da metodologia para alimentar o Painel Oncologia, sob responsabilidade do Ministério da Saúde, ainda há inúmeros municípios que carecem de acesso a serviços especializados, retardando e dificultando o diagnóstico da doença e, consequentemente, aos dados epidemiológicos”, raciocina o presidente da SBD, Mauro Enokihara.

Ao avaliar os números registrados pela plataforma, a SBD constatou que entre 2013 e 2017 o número de novos diagnósticos de câncer de pele foi de aproximadamente 4 mil casos a cada ano. Com o aperfeiçoamento da ferramenta e dos fluxos de informações, esse número saltou significativamente. Entre 2018 e julho de 2021, o total de diagnósticos de câncer de pele registrados chegou 184.095, ou seja, cerca de 46 mil ao ano.

Mapa do câncer – Os estados que mais notificaram casos de câncer de pele entre 2013 e 2021, foram São Paulo (52.876), Paraná (27.204), Rio Grande do Sul (27.056), Minas Gerais (22.668) e Santa Catarina (16.975).

A região com o maior percentual de casos, em relação ao número total de registros, é o Sudeste, com 42% dos casos de todo o País. O Sul ganha destaque por reunir três estados situados no ranking dos cinco que mais registraram casos de câncer de pele no Brasil.

Já o Norte contabilizou o menor número de casos no período. Embora seja a segunda maior Região do País, reúne apenas 2,7% do total de casos informados no Painel Oncologia Brasil, com 5.543 casos entre 2013 e 2021. Apesar disso, 40% dos casos registrados na região Norte estão no estado do Pará, que totalizou 2.234 diagnósticos de câncer de pele no período observado.

O Nordeste somou 29.236 casos no período analisado – cerca de 14% do total.
Nessa região, o estado com maior concentração de casos é a Bahia, com 6.222 registros da doença, seguido pelo Ceará, com 6.206 diagnósticos entre 2013 e 2021.

Por sua vez, o Centro-Oeste registrou um total de 12.956 casos, o equivalente a 6,3% do total. Na região, o estado com maior concentração de casos é o Mato Grosso do Sul, com 4.956 registros da doença, seguido por Goiás, com 4.841 diagnósticos entre 2013 e 2021.

Internações – O mapa do câncer de pele permite também identificar o impacto do câncer de pele sobre o atendimento hospitalar. Apesar da subnotificação do número de pessoas com a doença, dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS indicam que os casos mais graves de câncer de pele levaram à hospitalização cerca de 374 mil brasileiros entre 2013 e agosto de 2021.

No que se refere às internações, São Paulo é o Estado que registrou o maior volume de ocorrências no período (96.870), representando 26% do total. Após, vêm Paraná (57.417) e Rio Grande do Sul (38.593). No período analisado, segundo o levantamento da SBD as unidades da federação com menores registros desse tipo foram Roraima (194, Acre (162), e Amapá (150).
Desse total, 26% das hospitalizações estão no estado de São Paulo e outros 15% no Paraná.

“Esses números mostram que o câncer de pele, ao contrário do que muitos pensam, é um problema de saúde que, se não for bem tratado, pode ter consequências sérias”, alerta o presidente da SBD. Para ele, o Brasil precisa investir em estratégias de prevenção e diagnóstico precoce para evitar o agravamento dos casos.

Letalidade – Existem dois principais tipos de câncer de pele: o mais frequente é o não melanoma que, apesar de maligno, tem grandes chances de cura se detectado precocemente. Quando diagnosticado ainda no início, ele pode ser tratado no próprio consultório do dermatologista, com uma pequena cirurgia. O outro é o melanoma, que representa apenas 3% dos cânceres malignos da pele sendo um dos mais graves, devido ao maior potencial de provocar metástase (a disseminação para outros órgãos).

Segundo a análise da SBD, a cada ano cerca de 4 mil brasileiros morrem em razão da doença. Entre 2013 e 2020, os casos mais graves levaram a óbito 31.666 pessoas. “Esse quadro indica a importância de reforçarmos ações para a sua prevenção. Quando descoberta no início, essa doença tem 90% de chances de cura”, afirma Mauro Enokihara.

Conforme destaca, “é preciso conscientizar a população da necessidade de buscar o diagnóstico precoce, assim como o sistema de atendimento à saúde para a necessidade da notificação dos casos para que possamos contribuir com políticas públicas que aumentem as chances de tratamento e cura dos pacientes”.





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados