Brasil é o primeiro no mundo em número de doentes com hanseníase



Brasil é o primeiro no mundo em número de doentes com hanseníase

22 de agosto de 2010

Essa moléstia, que é TRATADA COM MEDICAMENTOS E TEM CURA, é causada por uma micobactéria. Compromete de início os nervos periféricos e, na pele, se caracteriza pelo surgimento de manchas esbranquiçadas ou avermelhadas. É transmitida pelo doente do grupo contagiante que não se trata ao tossir ou espirrar. Para a OMS, atinge 4,6 em cada grupo de 10.000 brasileiros. Quando não é descoberta e tratada logo, pode causar mutilações.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia promoveu em São Paulo, recentemente, uma campanha para o diagnóstico e o tratamento da hanseníase. Segundo o Ministério da Saúde, o país registrou 38.000 novos casos da doença em 2009, o que representa redução de 30% em cinco anos. Isso equivale a 4,6 doentes para cada grupo de 10.000 habitantes. Apesar disso, o número ainda é alto, pois a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a meta de 1 doente para cada grupo de 10.000 habitantes.

Entre as medidas que ajudaram a conter o avanço da doença está a melhoria no atendimento. Entre 2007 e 2009, o número de serviços de atendimento aos doentes aumentou 21%, com 1.645 novas unidades em todo o Brasil. Mesmo assim, o país é o primeiro em número de doentes com hanseníase. As explicações são: falta de diagnóstico precoce pelos médicos e desinformação da população sobre essa moléstia, conhecida desde a Antiguidade.

A hanseníase é causada pela bactéria Mycobacterium leprae. Pode acometer qualquer camada social, mas é mais comum na população de baixa renda. Felizmente, mais de 90% das pessoas têm defesa genética contra o bacilo e não desenvolvem a moléstia.

Os sintomas geralmente são negligenciados pelos doentes, pois as lesões não levam a coceira, ardor nem dor. Muitos médicos, de outro lado, não a diagnosticam precocemente porque os sintomas são comuns a outras doenças. O primeiro sintoma é formigamento ou dormência, causado pela inflamação dos nervos periféricos. Pode haver também diminuição da sudorese sobretudo nas mãos e nos pés. Em um segundo momento, o bacilo invade o sistema linfático e o vascular, produzindo manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele. Com a evolução da moléstia, o doente perde os cílios e as sombrancelhas e pode ter vermelhidão nos olhos, congestão e sangramento nasal e diminuição da sensibilidade térmica na região da pele atingida. Pode apresentar ainda feridas nos pés e nos dedos das mãos, além de inchaço nas pequenas e médias articulações. A hanseníase não é fatal, mas, se não for tratada, em 20 anos pode deformar mãos e pés, que adquirem a forma de garra.

O ideal é evitar contrair a bactéria. Pode-se fazer isso com cuidados de higiene habituais, como lavar frequentemente as mãos com água e sabão. É fundamental também que o doente cubra a boca e o nariz com lenço ao tossir e/ou espirrar p…





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados