Artrite decorrente da psoríase tem nova medicação aprovada



Artrite decorrente da psoríase tem nova medicação aprovada

19 de outubro de 2016
medicamento.jpg

Os pacientes que sofrem com a artrite psoriásica – doença inflamatória que atinge as articulações e que afeta de 10 a 20% dos pacientes com psoríase – já têm uma nova opção mais eficaz para o tratamento da afecção. No último mês de junho, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou duas novas indicações de medicamentos biológicos que inibem a progressão radiográfica da artrite psoriásica em 84% dos pacientes. Estima-se que cerca de 900 mil pessoas sejam portadoras de artrite psoriásica no Brasil. Os novos medicamentos, de síntese biológica, inibem a proteína IL-17A, que tem papel chave no processo inflamatório da doença.

Em dezembro de 2015, já haviam sido aprovados para o tratamento de pacientes com psoríase de moderada a grave. Os medicamentos biológicos são produzidos por biossíntese em células vivas, diferentemente dos medicamentos sintéticos, produzidos por síntese química. Os medicamentos biológicos têm se constituído em grande fonte de novas soluções para diversas doenças, para muitas das quais as terapias tradicionais não têm apresentado respostas adequadas.

Segundo a dermatologista Cláudia Pires Amaral Maia, da SBD, os medicamentos dessa natureza são uma tendência em diversos ramos da medicina. "A cada ano surgem novas opções terapêuticas nesta classe de remédios, fruto de entendimento cada vez maior do mecanismo molecular das doenças", explica. Ela, no entanto, faz um alerta:  "A Anvisa tem liberado medicamentos imunobiológicos para a artrite, mas o que temos de ter em mente é que o uso dessas opções depende muito do quadro do paciente e das comorbidades associadas. Os medicamentos são bastante efetivos, mas têm efeitos colaterais que precisam ser avaliados criteriosamente pelo médico que está assistindo o paciente". 





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados