Sífilis corre o risco de se tornar epidemia no Brasil, adverte senador



Sífilis corre o risco de se tornar epidemia no Brasil, adverte senador

11 de outubro de 2010

O senador Augusto Botelho (sem partido-RR) advertiu nesta quinta-feira (7) que triplicou, nos consultórios médicos, o número de pacientes com sífilis em todo o Brasil. A maioria dos infectados, observou, é composta por jovens que, por acaso, se descobrem com a doença.

Oficialmente, conforme dados citados pelo senador, há 1 milhão de doentes no país, ‘mas esse número pode ser muito maior’.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia informou à revista Veja que, em duas décadas, nunca se viu tantos casos de sífilis no país.

De acordo com Augusto Botelho, que é médico, a principal causa do aumento de paciente com a doença está no descaso, principalmente com a resistência de parte da população ao uso de preservativo.

O senador citou pesquisa do Ministério da Saúde segundo a qual apenas 21% dos brasileiros usam preservativos – 31% menos que a média de países desenvolvidos.

DRAMA

Na Região Norte, o drama é ainda maior, como adverte Augusto Botelho: muitos ribeirinhos, indígenas e agricultores familiares, que vivem isolados na floresta, na beira dos rios, vão às cidades comprar alimentos e equipamentos necessários à sua manutenção e sobrevivência, entram em contato com a doença na cidade e a transmitem a suas companheiras em suas aldeias e comunidades.

O senador disse que, como o acesso ao atendimento médico nesses locais é bastante precário, a maioria dos infectados por doenças venéreas, moradores de região isolada na Região Norte, demora muito para diagnosticar a doença.

A sífilis, segundo afirmou, chama a atenção dos médicos por ser a única doença venérea a reunir duas características temerosas: altamente transmissível, seus sintomas podem passar despercebidos.

Estamos correndo o risco de ver a sífilis virar, no Brasil, uma epidemia grave – afirmou.

INFECÇÃO

O processo infeccioso da sífilis, como explicou o senador, pode durar até dez anos e é interrompido com apenas uma dose de antibiótico.

O cenário muda na etapa avançada, quando a bactéria começa a matar os neurônios e a atacar o sistema nervoso dos pacientes. Em tal fase, o tratamento nem sempre é eficaz. Cerca de 10% dos pacientes morrem em decorrência da doença.

Augusto Botelho recorreu à história para explicar as origens da sífilis: uma das primeiras not&iac…





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados