Saúde e higiene representam 8% do consumo dos brasileiros em 2011



Saúde e higiene representam 8% do consumo dos brasileiros em 2011

28 de novembro de 2011

Um estudo mostra que os gastos com saúde e higiene representam  8% do consumo dos brasileiros em 2011, o que equivale a a R$ 187 bilhões. O Projeto Farma/Cosméticos revela que 74% desses gastos (R$ 187,0 bilhões) da população são destinados à  Saúde. Metade dessa fatia (cerca de R$ 69,8 bilhões) é puxada por medicamentos e a outra metade (cerca de R$ 68,4 bilhões) recai sobre todas as demais despesas, tais como planos de saúde, consultas (médicas/dentárias), tratamentos ambulatoriais, hospitalização, exames, cirurgias etc. A demanda por produtos e serviços de cuidados pessoais, de higiene e cosméticos, responde por 26%, ou seja, R$ 48,8 bilhões, em 2011.

O estudo leva em conta a população urbana que ascende a 84% dos 192,4 milhões de brasileiros (51% mulheres e 49% homens), 81% alfabetizados, apontando uma taxa de crescimento de 0,85% ao ano, numa densidade demográfica da ordem de 22,63 habitantes por km².  Ao todo são 57,5 milhões de domicílios, sendo 49 milhões localizados em áreas urbanas. O consumo per capita brasileiro está estimado em R$ 14.337,68.  A informação é de Marcos Pazzini, responsável pelo Projeto Farma/Cosméticos e diretor da IPC Marketing Editora, adiantando que este novo estudo emprega metodologia própria da empresa e dados de fontes oficiais inclusive os de entidades de classe e/ou conselhos profissionais.

No âmbito nacional, observa-se que a distribuição da fatia dos gastos com saúde equivalentes a R$ 68,4 bilhões tem maior influência sobre planos de saúde (R$ 39,4 bilhões), consultas médicas (R$ 5,3 bilhões), consultas dentárias/tratamentos (R$ 6 bilhões), cirurgias (R$ 4,2 bilhões), exames (R$ 4,4 bilhões), tratamentos ambulatoriais (R$ 1,5 bilhão), hospitalizações (R$ 893,6 milhões), materiais para tratamentos (R$ 5,6 bilhões), e sucessivamente entre outros itens.

A correlação entre esses gastos por categoria econômica e o IPC (índice de Potencialidade de Consumo) indica que a classe B lidera esse universo, absorvendo praticamente a metade dos gastos, ao desembolsar valores da ordem de R$ 34,5 bilhões. A classe C registra dispêndios de R$ 14,4 bilhões, enquanto as classes de menor poder aquisitivo respondem por R$ 1,6 bilhão (classe D)  e R$ 49,2 milhões (classe E).  A classe A, no topo da pirâmide social e com menor fatia da população, participa com R$ 17,9 bilhões.

O estudo indica haver uma distância muito grande entre as regiões brasileiras, apontando para a concentração de consumo de produtos e serviços de higiene e saúde.  No Sudeste, essa concentração é 30% superior a média nacional, e no Sul ultrapassa em 9%.  Nas outras três regiões  a concentração é inferior à média nacional:  Norte apresenta 45% abaixo da média nacional, Nordeste está com 35% inferior, e a região Centro-Oeste indica 5% abaixo da m&eacut…





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados