Pescoço e colo: olho neles!



Pescoço e colo: olho neles!

22 de abril de 2010

Esquecidos pela maioria das mulheres, o pescoço e o colo possuem pele sensível que exige cuidados especiais para não envelhecer antes do tempo

O rosto e o corpo são idealizados e colocados no topo da lista quando o assunto é preocupação com a beleza.

Assim, grande parte das mulheres se esquece de outra área que precisa de cuidados extras por ser sensível e perder a elasticidade mais rapidamente do que outras regiões: a que engloba o colo e o pescoço.

Quando mal cuidadas, elas podem denunciar a idade ou, pior, fazer com que a mulher aparente ser mais velha do que realmente é.

Para ter uma pele com textura macia e uniforme sem medo de abusar dos decotes, vestidos tomara que caia (na moda atualmente) ou penteados com os cabelos presos é importante seguir algumas medidas de prevenção.

“É necessário evitar exposição direta ao sol e usar filtro solar diariamente”, alerta Claudia Maia, dermatologista e diretora de Ações Institucionais da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Se a pele já estiver com manchas, rugas ou marcas de acne, há algumas formas de amenizá-las com cremes clareadores prescritos por especialistas, peelings (espécie de esfoliação seguida de hidratação que proporciona o rejuvenescimento da pele) e tratamentos a laser.

“Já as inevitáveis linhas originadas naturalmente pela musculatura do pescoço podem ser diminuídas pela hidratação diária e pela aplicação de toxina botulínica (popularmente conhecida como botox)”, explica Claudia.

O temido “papo”, excesso de pele que se forma abaixo do queixo, também gera desconforto. E, ao contrário do que muitos pensam, ele não aparece somente em pessoas acima do peso. Quem respira pela boca, mastiga de forma inadequada (de um lado só, por exemplo) ou possui mais de 30 anos também tem grandes chances de desenvolvê-lo caso não se previna.

Isso ocorre porque esses fatores fazem com que o músculo da base da língua fique flácido e gere o “papo”. “Exercícios focados na mastigação, deglutição e respiração auxiliam na diminuição do problema”, afirma Márcia Silva, fonoaudióloga do Instituto CEFAC – Saúde e Educação.

Ela aconselha: “Passar a língua de frente para trás acompanhando o formato do palato (céu da boca) ajuda a fortalecer o músculo da base da língua”.

No caso do “papo” ser decorrente de problemas na estrutura da mandíbula que impeçam que a musculatura fique esticada, a correção deve ser feita com cirurgia.





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados