Novas drogas para vitiligo e dermatite atópica e dificuldades no manejo da tuberculose: temas de Simpósio da SBD



Novas drogas para vitiligo e dermatite atópica e dificuldades no manejo da tuberculose: temas de Simpósio da SBD

20 de setembro de 2020
logosimposio-psoriase-367x235.png

Palestras sobre as mais recentes inovações científicas para tratamento de doenças dermatológicas serão o diferencial do 4º Simpósio Nacional de Imunobiológicos e XII Simpósio Nacional de Psoríase. O evento online, que ocorrerá nos dias 25 e 26 de setembro, com promoção da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), trará para o centro dos debates temas como “Novas drogas em desenvolvimento para dermatite atópica e vitiligo” e “Dificuldades de manejo da tuberculose com biológicos”.

Confira aqui a íntegra da programação

Os temas estarão em foco no primeiro bloco do evento, no dia 26 de setembro. O tópico “Biológicos na dermatite atópica: conduta e cuidado” será às 8h15. Já o sobre “Vitiligo: a promessa de novas moléculas” ocorrerá às 9h25. As aulas serão ministradas pelos experts convidados Valeria Aoki e Caio Cesar Silva de Castro, respectivamente.

O presidente da SBD, Sérgio Palma, lembra que o evento será uma oportunidade de discutir sobre diversas doenças que são desafios terapêuticos para o dia a dia dos dermatologistas em seus consultórios. “Durante a pandemia, a SBD, com o apoio de suas áreas técnicas e colaboradores, tem se desdobrado para assegurar ao associado acesso ao conhecimento. Esse é um compromisso da Gestão 2019-2020”, disse Palma.

Nesse sentido, serão abordados avanços em diagnósticos e tratamentos; a incorporação de novas terapias no Sistema Único de Saúde (SUS); a atualização sobre medicamentos tradicionais na terapêutica dermatológica; e a articulação da Sociedade para ampliar o acesso de pacientes aos medicamentos biológicos e biossimilares.

Novas opções – Conforme explica o coordenador do Departamento de Dermatologia e Medicina Interna da SBD, Paulo Criado, nessas exposições serão apresentadas novas opções de tratamento, que estão já aprovadas ou em fase de estudo, para o manejo dessas duas dermatoses, que, muitas vezes, oferecem dificuldades no tratamento.

“Será o momento propício para debater a perspectiva do uso de novas drogas, como os inibidores de Janus Kinase, tanto o via oral como o tópico, no tratamento do vitiligo, que é uma nova promessa terapêutica. Esses inibidores também estão sendo estudados para o tratamento da dermatite atópica (DA). Essas drogas são mais seletivas para tratar o distúrbio imunológico do que o corticoide, por exemplo. Além disso, há também o dupilumabe, que é um biológico novo para o tratamento da DA e já está no mercado”, explicitou Paulo Criado.

O dermatologista enfatizou ainda que o tema é de suma importância para os especialistas porque é um campo novo. “O vitiligo e a DA são doenças relativamente frequentes nos consultórios. Os dermatologistas precisam se atualizar sobre essas novas drogas, pois serão utilizadas nos próximos 10 ou 20 anos. Elas têm seus mecanismos de ação, seus benefícios e efeitos adversos. É importante que o especialista saiba tudo isso para que os medicamentos sejam prescritos com segurança”, reforçou.

Tuberculose – Já às 8h30, o infectologista Marcelo Litvoc apresentará o tema “Dificuldades de manejo da tuberculose com biológicos”. De acordo com o coordenador do evento e da Campanha Nacional de Psoríase da SBD, Ricardo Romiti, esse é um assunto muito interessante e atual para o dermatologista.

“Quando nós receitávamos os tratamentos biológicos antigos para os pacientes com psoríase havia risco de, como efeito colateral, desenvolver tuberculose. Muitos dos tratamentos mais modernos já não oferecem esse risco. O especialista debaterá sobre a importância e a necessidade de se realizar a investigação para tuberculose latente frente ao uso dos novos imunobiológicos aprovados no Brasil. Há algumas drogas aqui que não oferecem tanto risco, mas podem ter ainda alguns, embora mínimos”, salientou Romiti.

O coordenador ressaltou ainda que essas drogas, antigas e novas, se incorporaram ao cotidiano do dermatologista no tratamento de psoríase e de outras doenças. “Por isso, conhecer a importância dessa investigação para a tuberculose é fundamental, pois são os exames que o médico sempre tem que pedir antes e mesmo durante o acompanhamento no uso desses biológicos”, disse.

Programação – O programa científico do evento será composto por horas de conteúdo ao vivo, numa sequência de aulas e discussões de casos clínicos ministrados por especialistas nacionais e internacionais com ampla experiência na área. Além disso, todas as palestras do evento ficarão disponíveis para acesso exclusivo dos participantes, por meio de login e senha individuais.

No dia 25 de setembro, a partir das 18h, acontecerá a abertura do hall virtual e da área de exposição para os congressistas. Já no dia 26, a partir das 8h, estarão em pauta temas como “Vacinação antes e durante a terapia biológica”; “Novas perspectivas no manejo da alopecia areata”; “Urticária Crônica Espontânea: o atual estado das indicações dos biológicos”; “Hidrosadenite supurativa: o que conquistamos?” e muito mais.

Na oportunidade, haverá ainda diversos blocos especialmente destinados a discutir o mote “Meu caso clínico mais difícil”, com foco na condução de pacientes com psoríase. Para efetuar sua inscrição e saber mais informações, acesse o link específico. Há condições especiais disponíveis para associados regulares, aspirantes, residentes e estudantes de Serviços Credenciados da SBD.

Clique aqui e inscreva-se.





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados