Nota de falecimento do dermatologista Mario Fernando Ribeiro de Miranda



Nota de falecimento do dermatologista Mario Fernando Ribeiro de Miranda

10 de fevereiro de 2017
logo-sbd-luto-atual.png

mariomiranda

 

A SBD Nacional comunica, com pesar, o falecimento do médico dermatologista e associado titular Mário Fernando Ribeiro de Miranda, nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, em Belém, aos 71 anos de idade.

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e com pós-graduação lato sensu em Dermatologia pelo Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, Mário Miranda foi professor adjunto de Dermatologia da UFPA. Possuiu título de especialista em Dermatologia pela AMB/SBD e diploma em Dermatopatologia conferido pelo International Committee for Dermatopathology (ICPD) e Union Européenne des Médecins Spécialistes (UEMS). Entre suas áreas de interesse estavam a dermatologia clínica e a Ddermatopatologia.

Nascido no dia 29 de setembro de 1945, em Belém do Pará, o dermatologista presidiu a Regional Pará (1995/1996), tendo participado da solenidade de sua fundação em 1986, foi presidente do Congresso Brasileiro de Dermatologia em Belém (2009) e, por diversas vezes, assumiu o cargo de coordenador de Departamento da SBD.

Seu velório está sendo realizado nesta sexta na Capela Diogo Móia, do cemitério Recanto da Saudade, situado na Rua Diogo Móia, 1264, Umarizal, Belém (PA). O enterro ocorre no domingo, às 9h, no cemitério Santa Izabel, no bairro do Guamá.

A SBD Nacional presta toda sua solidariedade à família e agradece a honra de ter tido Mário Miranda como um de seus membros e colegas.


Dermatologistas deixaram suas mensagens pelo falecimento do Dr. Mário Miranda:

 

“O Professor Mário Miranda foi um exemplo de dedicação ao ensino e à dermatologia para alunos e também para os professores. Deixou conhecimentos, discípulos e exemplos importantes para o futuro da especialidade. Sua contribuição para a UFPA, onde foi professor na graduação e na residência, é inúmera e deixará marcas inapagáveis. Foi um profissional íntegro e honesto, e para mim foi uma experiência de vida e uma honra poder ter convivido com ele.” Rossana Veiga, chefe do Serviço de Dermatologia da UFPA.

 

“O Dr. Mário Miranda era um homem muito culto. Falava inglês, francês e alemão. Tocava piano. Conhecia sinfonias. Tinha uma inteligência acima da média. Era profundo conhecedor da clínica e da dermatopatologia, a qual fazia com entusiasmo. Se dedicava ao trabalho porque esse era o seu lazer, o seu prazer. Era um homem muito acessível, gostava de ensinar, não tinha segredos e não pedia nada em troca, apenas desejava o nosso êxito! Após anos de luta, finalmente descansou. E vai deixar saudades e boas lembranças no coração de todos.” Josie Bisi (SBD-PA).

 

“Dr. Mário, nunca esquecerei do dia em que o conheci, em um estágio opcional na Dermatologia, ainda como residente de clínica, na Santa Casa. Saí do ambulatório naquele dia e pensei: vou fazer Dermatologia. Isso foi em meados de 2004. Em 2005, passei na residência. Hoje eu o perdi, mas nesses quase doze anos de convívio com o senhor, só tenho a agradecer. Construímos uma amizade baseada no respeito, cumplicidade e muito amor, a ponto de eu carinhosamente chamá-lo de 'papi'. Talvez o senhor não saiba, mas era assim que eu sentia, que o senhor era meu segundo pai. E eu o amava muito. Obrigada pela amizade e por me fazer escolher/amar a Dermatologia e Dermatopatologia. Na Dermatologia conheci outros amigos que amo e hoje estão do meu lado me ajudando a superar a falta que senhor me faz.” Maraya Bittencourt (SBD-PA).

 

“Dia muito triste para a dermatologia paraense. Foi para a morada eterna nosso grande mestre Mário Miranda. Minhas palavras a ele são MUITO OBRIGADA.” Regina Carneiro, professora titular de Dermatologia na Universidade do Estado do Pará (UEPA).

 

"Nosso mestre, nosso amigo, nosso querido e admirável Dr. Mário Miranda deixará seu legado eternizado pela sapiência ímpar, pela arte de ensinar, pelo coração caridoso, pela alma bondosa, que o tornaram grandioso na sua humildade. Ele nos ensinou muito além da dermatologia, e hoje o sentimento é de tristeza, dolorosa saudade e gratidão pela honra do convívio com um ser humano tão especial. O céu está em festa!', Clivia Carneiro, professora adjunta de Dermatologia da Universidade Federal do Pará (UFPA).

 

"Estudioso, dedicado, organizado, Mario publicou vários trabalhos científicos em prestigiosos periódicos nacionais e internacionais. Participou de bancas examinadoras, trabalhos de grupo, cursos, comissões, congressos, como avaliador, orientador, coordenador, palestrante. Na dermatologia da Santa Casa de Misericórdia do Pará (UFPA) era professor da disciplina e responsável pelo laboratório de Dermatopatologia. Mario, a par da competência em suas atividades científicas, mantinha extrema cordialidade, disponibilidade e simplicidade para com colegas e alunos, sem descurar da seriedade profissional. Mario amava sua especialidade e debater com ele os casos clínico-patológicos era um momento de grande satisfação espiritual e científica, atividade que mantive com meu amigo durante o longo período de sua doença, indo à sua residência e sentindo-me recompensado ao ver a alegria em seu rosto, naquela troca de ideias." Arival de Brito, professor adjunto da Universidade Federal do Pará (UFPA).





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados