A dermatologia no processo do envelhecimento



A dermatologia no processo do envelhecimento

23 de março de 2018
whatsapp-image-2018-03-22-at-181656.jpeg

Começou nesta quinta (22/3) e vai até o próximo sábado (24/3) a 26ª Jornada Sul Brasileira de Dermatologia e o 1º Simpósio de Envelhecimento da SBD, no Centro de Convenções Centro Sul, em Florianópolis, Santa Catarina. Durante três dias especialistas discutem diferentes temas da dermatologia, incluindo alterações cutâneas e cuidados na prevenção e diagnóstico de frequentes patologias ocorridas na pele do idoso. O encontro é realizado pela SBD Nacional – por meio do Departamento de Dermatologia Geriátrica – em parceria com a SBD-SC e apoio da SBD-RS e SBD-PR.

A abertura oficial foi feita pelo presidente da Regional Santa Catarina, Mauricio Conti, que agradeceu a presença do público, fez um histórico das jornadas sul-brasileiras e mostrou a importância para a área médica, sobretudo para dermatologia, de se ter um olhar mais amplo sobre como o idoso está envelhecendo.

Em seguida, a coordenadora do Departamento de Dermatologia Geriátrica, Silvia Marcondes Pereira, agradeceu a iniciativa pioneira da entidade em realizar um encontro que aborda o envelhecimento, ressaltando que será o primeiro de muitos. Agradeceu também a iniciativa do curso voltado para leigos, que tiveram a oportunidade de tirar suas dúvidas sobre cuidados e condutas dos pacientes com mais de 60 anos de idade.

O presidente da SBD, Jose Antonio Sanches, ressaltou que o avanço da cosmiatria vem do amadurecimento da própria dermatologia e frisou a importância da abordagem da dermatologia em sua forma mais ampla.

“Existem outras áreas da dermatologia, como a clínica, que está sendo alijada e merece toda a nossa atenção. Dessa maneira, penso que as doenças infecciosas devem ser prioridade do dermatologista. Nosso olhar também precisa estar voltado para as doenças dermatológicas que afetam psicologicamente seus portadores, como o vitiligo”, disse. O presidente mencionou ainda que vivemos uma fase nova de investimento da indústria, com pesquisas com os biológicos, medicamentos com agentes-alvo e novas perspectivas terapêuticas, e os dermatologistas precisam estar prontos para essa nova era da especialidade.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a participação dos idosos de 60 anos de idade ou mais passou de 9,8% em 2005 para 14,3% em 2015, com tendência a se acentuar nos próximos anos. Em 2025, por exemplo, os idosos serão cerca de 35 milhões de uma população com 100 milhões de pessoas. Daí a necessidade de o médico dermatologista estar preparado para o atendimento desse tipo de população. Segundo Sanches, a cosmiatria pode acrescentar e melhorar a característica da pele do idoso, “mas existem muitas questões fisiológicas e clínicas que precisam ser tratadas; daí a importância de debatermos esse tema”.

Para ampliar a discussão, a entidade vai promover em agosto o 1º Fórum de Envelhecimento, no Rio de Janeiro, em parceria com O Globo.


Participaram da cerimônia de abertura a coordenadora do Departamento de Dermatologia Geriátrica, Silvia Marcondes Pereira; o presidente da SBD, Jose Antonio Sanches; o presidente da SBD-SC, Mauricio Conti; a presidente da SBD-RS, Clarisse Prates; e o presidente da SBD-PR, Anber Ancel Tanaka

Cuidados dermatológicos na pele envelhecida para leigos ou profissionais

O encontro ofereceu curso gratuito para cuidadores profissionais e familiares de idosos. Ocorrido na manhã desta quinta (22/3), abordou os seguintes temas: “Alterações na pele envelhecida e seus cuidados diários”; “Dermatoses mais prevalentes no idoso”; “Diagnóstico de câncer da pele e lesões pré-cancerosas”; “Conduta em úlcera de perna e úlcera de pressão: limpeza, curativos e seguimento”. As aulas foram ministradas por especialistas do Departamento de Dermatologia Geriátrica da SBD.

 





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados