Não transforme sua tatuagem em cicatriz



Não transforme sua tatuagem em cicatriz

22 de julho de 2010

Está certa de que quer fazer uma tatuagem? Pense bem, pois os derma­tologistas alertam: o dese­jo de realizar uma obra de arte única ou de expressar uma filosofia de vida na própria pele pode terminar mal se houver arrependi­mento. Tudo porque a di­ficuldade em remover as imagens tatuadas pode re­sultar em cicatrizes.

“Toda tatuagem pode ser removida, mas os pigmen­tos claros são mais difíceis, o que pode levar à cicatriz ou ainda à permanência de pigmento”, diz o Dr. Luiz Henrique Paschoal, médico dermatologista. Ele explica que a tatuagem é feita com a aplicação de pigmentos que atingem a derme ca­mada mais profunda da pele e daí as complica­ções no momento de reti­rá-la, pois as intervenções possíveis podem afetar os tecidos vizinhos, originan­do os problemas que dei­xam as marcas após a reti­rada.

Diante do risco, porém, evitar uma cicatriz futura também depende de certos cuidados. “Manter o local da tatuagem sempre limpo para se evitar infecções de pele e lesões de acne; ob­servar as condições de hi­giene no local onde se pre­tende fazer a tatuagem; exigir o uso de materiais descartáveis e que não são reutilizados, além da higie­ne do próprio profissional”, diz o médico. Existem al­gumas técnicas para a re­moção de tatuagens. To­das devem ser conduzidas por dermatologistas. O Dr. Beni Moreinas Grinblat, membro da Sociedade Bra­sileira de Dermatologia, explica quais são elas.

– Lixamento: trata-se de um lixamento da pele que visa à remoção da tatuagem. Toda a região onde foi feito o desenho é tratada, mas há riscos de manchas e cicatri­zes e por isso esse método é pouco utilizado.

– Retirada cirúrgica da ta­tuagem: como qualquer cirurgia, deixará uma ci­catriz no local.

– Laser q-switched de ruby e/ou de Nd-Yag: ‘o raio la­ser é uma luz que age espe­cificamente na tinta da ta­tuagem, poupando o tecido a seu redor; consequente­mente, com o tratamento a laser há menor risco de ci­catrizes. Os pigmentos es­curos (azul e preto) são os mais fáceis de ser removi­dos; já o amarelo dificil­mente será atingido’. Se­gundo o dermatologista, durante o tratamento com laser, o uso de protetores solares é indispensável.





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados