Mente e pele – Uma relação muito íntima



Mente e pele – Uma relação muito íntima

15 de agosto de 2011

É comum ouvir as pessoas dizerem ‘estou com os nervos à flor da pele’, ‘fiquei vermelho de vergonha’, ‘roxo de raiva’, ou suar mais que o normal na hora de uma reunião importante, ficar cheio de espinhas um dia antes de um encontro especial. Há ainda a possibilidade de apresentar sintomas mais sérios de doenças como psoríase, vitiligo, alergias, infecções, como o herpes, e queda de cabelos em períodos de estresse. Esses problemas podem ocorrer num período de desafios ou dificuldades de relacionamento interpessoal, tais como nos relacionamentos profissionais, sociais, na perda de alguém que se ama ou na relação amorosa.

Uma abordagem científica – a psiconeuroimunodermatologia – comprova que questões emocionais influenciam a pele, os cabelos e as unhas e que é possível tratar estas dermatoses levando em consideração as emoções. Problemas da pele associados com as alterações emocionais sempre foram observados pelos médicos, porém, até pouco tempo, a ciência não conseguia explicar como e por que estas manifestações ocorriam no organismo.

Com o desenvolvimento progressivo da ciência no campo da psiconeuroimunologia é possível afirmar que mensageiros químicos do sistema nervoso – neuropeptídeos e outros neurotransmissores – levam informações do cérebro para os receptores da pele e vice-versa. Por isso, hoje é possível afirmar que ansiedade, euforia, tristeza, angústia, estresse e depressão podem acabar causando alguma reação no organismo, inclusive, na pele, nos cabelos e nas unhas. Diversas pesquisas têm mostrado que os sistemas endócrino, nervoso e imunitário formam um único sistema que recebe a influência direta da mente. Estima-se que mais de 40% das manifestações cutâneas estejam associadas a influências psíquicas.

Quem pode afirmar que está livre do estresse, sobretudo, quando se vive em grandes cidades? Contudo, o que mais importa não é o problema que temos e sim como o elaboramos e que atitudes temos frente a um problema da vida. Podemos inclusive transformar um problema em desafio!

Vejamos um bom exemplo usando uma metaforicamente as escolhas de um surfista. Na hora de praticar seu esporte ele não seleciona apenas as ondas do mar. Antes avalia em qual praia vai entrar, verifica a direção e a velocidade do vento e as condições do mar. Prepara-se fisicamente para só depois praticar seu esporte favorito. Quando está em cima da prancha, ele surfa à sua maneira, buscando aproveitar o que de melhor tem cada onda, utilizando as experiências e técnicas adquiridas nos anos de prática no mar.

Assim precisamos agir na vida. Devemos observar várias atitudes para cuidarmos de nossa saúde, escolher o melhor de cada situação e utilizar nossas experiências para viver da melhor forma possível.

Vários profissionais, como médicos clínicos e especialistas, psicólogos, fisioterapeutas e varias outras &aacu…





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados