Câncer de pele é o mais prevalente no Brasil; saiba como se proteger



Câncer de pele é o mais prevalente no Brasil; saiba como se proteger

4 de fevereiro de 2011

O câncer de pele é o tipo mais comum de câncer no Brasil, para homens e mulheres. Por sua localização, o país conta com altos índices de raios ultravioleta (UV) e, apesar disso, a população nem sempre segue à risca as recomendações para se proteger do sol corretamente.

“Estima-se que houve 120 mil casos de câncer de pele no país em 2010”, afirma o médico Dolival Lobão, chefe da seção de dermatologia do Inca (Instituto Nacional de Câncer). A maior parte deles (cerca de 1150 mil) refere-se ao câncer não melanoma, que possui letalidade bem menor que o tipo melanoma.

Os grupos de maior risco são aqueles que possuem pele clara, sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros. Tanto que a Região Sul é a que tem maior prevalência de câncer de pele no país. Também estão mais predispostos os indivíduos com histórico da doença na família, além daqueles que já sofreramqueimaduras solares, têm dificuldade de se bronzear e apresentam pintas.

Lobão esclarece que o melanoma costuma se caracterizar por pintas escuras, com bordas irregulares, que mudam de cor ou têm o tamanho aumentado. Já o câncer não melanoma é caracterizado por manchas ou feridas que não cicatrizam e costumam sangrar com facilidade. Além de procurar o médico sempre que desconfiar de algo, vale a pena consultar o dermatologista com regularidade para uma avaliação, já que nem sempre conseguimos observar todas as partes do corpo.

PROTETOR SOLAR

O médico explica que evitar o sol entre 10h e 16h é importante para evitar os raios UVB, associados ao câncer de pele. Mas ele alerta que os raios UVA, que têm a mesma intensidade o dia inteiro, são coadjuvantes dos raios UVB e provocam o envelhecimento da pele. Evitar a exposição somente na hora do almoço, portanto, não basta. “Não existe bronzeamento saudável”, enfatiza.

Além do uso de roupas, chapéu com abas largas e óculos (que protegem os olhos da catarata), é preciso prestar atenção ao uso correto do protetor solar. Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em 2009 indica que a população só usa metade da quantidade ideal do produto, o que significa que o fator de proteção solar (FPS) real também fica 50% menor.





SBD

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Av. Rio Branco, 39 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20090-003

Copyright Sociedade Brasileira de Dermatologia – 2021. Todos os direitos reservados