#Janeiro Roxo

A hanseníase é negligenciada,

mas a saúde não!

-->

VAMOS FALAR SOBRE HANSENÍASE E SAÚDE


Situação negligenciada é aquela que é alvo de desatenção, desconsideração, displicência, descaso, indiferença, menosprezo.


Infelizmente, a hanseníase é considerada assim: uma doença negligenciada. Isso transparece pela omissão de alguns tomadores de decisão e segmentos da indústria farmacêutica que não enxergam prioridade em sua prevenção e tratamento.


Trata-se de um contexto contra o qual o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) tem trabalhado arduamente ao longo dos anos. O que se busca é conscientizar a população sobre as manifestações clínicas da doença e assegurar a todos acesso ao diagnóstico e ao tratamento precoce.


No Brasil, cerca de 30 mil novos casos da doença são detectados todos os anos. É um dado alarmante, cujo enfrentamento depende, de um lado, do aperfeiçoamento e implementação plena de políticas públicas.


Do outro lado, de que cada um de nós faça sua parte e esteja atento ao próprio corpo, procurando orientação médica em caso de sinais e sintomas suspeitos.


Afinal, como alerta a SBD em sua campanha pelo Janeiro Roxo desse ano: se a hanseníase é uma doença negligenciada, a nossa saúde não é.



Orientações

CUIDE DE SEU BEM-ESTAR E DOS OUTROS TAMBÉM

SINAIS E SINTOMAS

• Manchas (esbranquiçadas, amarronzadas e avermelhadas) na pele com mudanças na sensibilidade dolorosa, térmica e tátil.
• Sensação de fisgada, choque, dormência e formigamento ao longo dos nervos dos membros
• Perda de pelos em algumas áreas e redução da transpiração
• Inchaço e dor nas mãos, pés e articulações
• Dor e espessamento nos nervos periféricos
• Redução da força muscular, sobretudo nas mãos e pés
• Caroços no corpo
• Pele seca
• Olhos ressecados
• Feridas, sangramento e ressecamento no nariz
• Febre e mal-estar geral

ONDE SE TRATAR

Se apresentar um ou mais desses sinais e sintomas, procure ajuda médica. O posto de saúde mais próximo de sua casa ou uma equipe de saúde da família podem lhe ajudar. Neles, é possível fazer exames e receber orientações de como se tratar!

PARENTES E AMIGOS

Em caso de diagnóstico confirmado para hanseníase, oriente as pessoas com as quais mantém contato próximo e regular (familiares, amigos, colegas de trabalho) a também irem ao médico para serem examinadas.

SIGA O TRATAMENTO

Quem tem diagnóstico para hanseníase deve começar a tomar os medicamentos prescritos de imediato. Ao fazer isso, o paciente deixa de ser transmissor da doença. E atenção: é importante não abandonar o tratamento ou deixar de tomar os remédios.

Notícias

SAIBA O QUE SE FALA SOBRE HANSENÍASE NA IMPRENSA

Acesse abaixo algumas das principais reportagens divulgadas recentemente sobre hanseníase e a campanha do Janeiro Roxo.

images
Tudo pronto para a superlive da SBD sobre hanseníase nesta sexta-feira (22)

Clique aqui

images
Dermatologistas questionam laboratório sobre riscos de falta de medicamentos para hanseníase no Brasil

Clique aqui

images
Maranhão ocupa o 1º lugar no Brasil em casos de hanseníase, com cerca de 36,5 mil casos novos na última décadae

Clique aqui

images
Em nove anos, Pará registrou 31 mil casos de hanseníase

Clique aqui

images
MT ocupa 2º lugar no número de novos casos de hanseníase

Clique aqui

images
Janeiro Roxo destaca a conscientização sobre a hanseníase

Clique aqui

images
Janeiro Roxo: SBD reforça campanha de conscientização sobre hanseníase

Clique aqui

images
Médico dermatologista explica sobre a importância do diagnóstico precoce e do tratamento da hanseníase

Clique aqui

images
Ceará ocupa 6º lugar no Brasil em casos de hanseníase, com 19 mil casos novos na última década
Clique aqui

images
Janeiro é mês de conscientização sobre a hanseníase

Clique aqui

images
Brasil é o segundo país em número de casos de hanseníase no mundo

Clique aqui

images
SBD envia contribuições para elaboração do primeiro PCDT de hanseníase do Ministério da Saúde

Clique aqui

images
CNJ se ilumina contra a hanseníase

Clique aqui

images
Janeiro Roxo: sobe o número de casos de hanseníase no Brasil

Clique aqui