Programa Pró-Albino

Programa Pró-Albino: ação de proteção médica aos portadores de albinismo

“Um indivíduo com diferença genética e vulnerável”

Derivada do latim albus (branco), a palavra “albinismo” se refere à incapacidade de um indivíduo ou animal de fabricar corretamente a melanina (do grego melan, negro), que dá cor à pele e protege da radiação ultravioleta solar.

Consiste ainda num conjunto heterogêneo de distúrbios genéticos que afetam totalmente ou parcialmente a síntese de melanina nos melanócitos com consequente hipopigmentação da pele, dos pelos, cabelos e olhos. A melanina é sintetizada por melanócitos — células dendríticas localizadas na junção da derme com a epiderme da pele — por meio de reações enzimáticas que convertem a tirosina em melanina através da enzima tirosinase.

O espectro clínico do AOC varia desde a sua forma mais intensa, AOC1A, caracterizado pela falta completa de produção de melanina por toda a vida, enquanto que as formas mais suaves AOC1B, AOC2, AOC3 e AOC4 apresentam alguma produção de pigmento com o passar dos anos.

Os diferentes tipos de AOC são causados por mutações em diferentes genes, entretanto, o fenótipo clínico nem sempre permite distingui-los, tornando o diagnóstico molecular uma ferramenta útil e essencial para o aconselhamento genético.

A fim de estruturar o processo de prevenção, diagnóstico, tratamento e seguimento dos pacientes com albinismo, a Sociedade Brasileira de Dermatologia implementou o Programa Pró-Albino, que consiste no desenvolvimento e na prática de estratégias que reduzam as repercussões físicas devido ao albinismo oculocutâneo (AOC), por meio de uma ação entre os dermatologistas dos Serviços Credenciados de todos os Estados brasileiros, além do Distrito Federal. Nesses locais, serão oferecidos serviços de prevenção, detecção precoce e tratamento das doenças dermatológicas que possam ocorrer no paciente albino. Conheça a seguir os objetivos específicos do Programa.

Objetivos específicos

– Conhecer e compreender as necessidades medicas, psicológicas e sociais dessa população vulnerável;

– Diagnosticar o tipo de albinismo para orientação genética;

– Realizar heredograma;

– Incluir os pacientes albinos no cadastro hospitalar;

– Promover orientação e elementos para a correta prática da fotoproteção cutânea e oftalmológica;

– Realizar exame periódico da pele dos pacientes com albinismo no sentido de diagnosticar precocemente e tratar lesões pré-malignas ou malignas;

– Prover material de fotoproteção para pacientes carentes (em desenvolvimento).

Estratégias

A orientação do programa é da Sociedade Brasileira de Dermatologia. A estratégia de ação desse programa conta com a adesão dos dermatologistas ligados aos  Serviços Credenciados da Sociedade Brasileira de Dermatologia de todo o país. Sendo assim, este não é um programa do governo federal e dos governos estaduais, mas sim um projeto que envolve a Comunidade Dermatológica Acadêmica Brasileira, que atua no setor assistencial e de formação dos dermatologistas.

Esses pacientes serão inicialmente cadastrados no registro hospitalar, cujos dados serão armazenados em um banco de dados do próprio Serviço Credenciado.

Os Serviços Credenciados da SBD darão uma prioridade assistencial a esses pacientes e as afecções cutâneas consequentes à radiação solar sobre a pele terão tratamento tanto ambulatorial como cirúrgico, se necessário.

Nós entendemos que os albinos já são tratados nos nossos Serviços, mas o objetivo é estruturar, por meio do Programa, o processo de prevenção, diagnóstico, tratamento e seguimento.

Diagnóstico

– Do próprio albinismo: crianças (confirmação diagnóstica), diagnóstico tipo clínico de albinismo com consequente uso para a orientação genética ao paciente. No futuro os Serviços Credenciados farão o diagnóstico por meio da Biologia Molecular;

– Alterações da pele devido à radiação solar: diagnóstico das ceratoses actínicas (lesões pré- malignas), diagnóstico do melanoma cutâneo e diagnóstico do câncer da pele não melanoma;

– Enviar o paciente para diagnóstico das alterações oftalmológicas (visão subnormal, estrabismo, nistágmo, catarata etc);

– Quando for possível enviar ao Departamento de Genética para orientação e aconselhamento.

Tratamento

– Ceratose actínica e campo de cancerização;

– Tratamento das neoplasias cutâneas;

– Orientação da fotoproteção tanto tópico como têxtil, que deve ser a preferencial, mesmo porque o custo do fotoprotetor não está ao alcance da maioria dos pacientes;

– Suplementação com vitamina D considerando-se a orientação de exposição solar nula.

Seguimento

– Todos pacientes albinos (crianças e adultos) devem ser monitorados a cada três meses no primeiro ano, no sentido de se assegurar total compreensão da prevenção ao envelhecimento cutâneo precoce e o câncer da pele.

Epidemiologia

O albinismo pode afetar pessoas de todas as raças sem distinção, por isso tem sido extensivamente estudado. Aproximadamente uma em 18 mil pessoas têm um dos tipos de albinismo. A prevalência das diferentes formas de albinismo varia consideravelmente em todo o mundo, parcialmente explicada pelas diferentes mutações encontradas em diferentes genes, e pela dificuldade de distingui-lo de pessoas com pele extremamente clara. O AOC2 é a forma mais prevalente em todo o mundo e provavelmente no Brasil.

  • O AOC1 tem uma prevalência de aproximadamente 1 para 40 mil na maioria das populações, porém é incomum entre os afro-americanos.
  • Em contraste, o AOC2 é o tipo mais comum de albinismo na África negra. A prevalência geral do AOC2 é estimada em 1:36.000 nos EUA, mas cerca de 1:10.000 entre os afro-americanos. Ele afeta 1:3.900 pessoas em algumas populações da África do Sul. Já o AOC3, ou albinismo oculocutâneo vermelho, afeta 1:8.500 na África, enquanto é muito raro em populações caucasianas e asiáticas.
  • Recentemente, mutações em um quarto gene mostraram ser a causa do AOC4 e que possivelmente explica o albinismo em 5% a 8% dos casos alemães e 18% dos casos em pacientes japoneses.
  • No Brasil, os estudos epidemiológicos são escassos. Moreira e cols (2007) em estudo sobre o perfil do AOC no estado da Bahia verificou que 70% dos albinos declararam ascendência negra ou parda, valores semelhantes à distribuição racial da Bahia. Contudo, os autores não realizaram testes laboratoriais (biologia molecular) que permitissem identificar as diferentes formas de AOC, e assim contribuir para o aconselhamento genético.

 

Desde 2007, o projeto Afro-Atitude, ligado à Universidade Federal das Alagoas (UFAL), começou a visitar as 23 comunidades remanescentes de quilombos reconhecidas no estado e, ao examinar a população de um quilombo em Santana do Mundaú – AL, denominada Filús, encontrou um albino para cada 20 habitantes da comunidade.

Foi descrita na Revista de Antropologia Brasileira uma alta prevalência de albinos entre indivíduos pertencentes às tribos Caingangues, localizadas principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país.

Há ainda relatos não documentados sobre vilarejos na Bahia (Inhambupe), onde a prevalência do albinismo é elevada.

Dada a descendência afro de boa parte da população brasileira, é possível que o albinismo mais prevalente no Brasil seja o Oculocutâneo do tipo 2. Caso não seja levado em consideração as prováveis variações na prevalência de acordo com a região geográfica do Brasil, estima-se que haja cerca de dez mil albinos no país (1:18.000 nascimentos)

O albinismo oculocutâneo tipo 1, 2, 3 e 4 não estão associados com maior mortalidade ou morbidade, a não ser as consequências de maior sensibilidade à radiação solar que determinam degeneração actínica precoce, câncer da pele e as alterações oculares.

Causas

A causa da doença são mutações em gens específicos:

  • O albinismo oculocutâneo tipo 1 (AOC1) resulta de mutações no gen da tirosinase, 11q14-3 com herança autossômica recessiva. O gen da tirosinase codifica uma enzima que inicia a síntese de melanina usando como substrato a tirosina. Especificamente, a tirosinase hidroxiliza a tirosina para dihidroxifenilalanina (DOPA) e subsequentemente hidroxiliza DOPA para DOPA-oxidase. Mais de 70 mutações foram identificadas na tirosinase, as quais resultam na disfunção ou falta de síntese da enzima. A maioria dos pacientes com albinismo oculocutâneo tipo 1 é heterozigoto para mutações no gen da tirosinase.
  • O albinismo oculocutâneo tip2 (AOC2) resulta de uma mutação no gen P, 15q12 e é de herança autossômica recessiva. O gen P codifica a proteina 110-kd localizada na membrana limitante dos melanossomos e cuja função na síntese da melanina não está bem determinada.
  • O albinismo oculocutâneo tipo 3 resulta da mutação do gen da proteina-1 (Tyrp1) relacionada a tirosinase, 9p23 e é de herança autossômica recessiva. A função da Tyrp1na melanogênese humana pode ser o seu envolvimento no transporte iônico e/ou estabilizador do complexo melanossômico.
  • O albinismo oculocutaneo tipo 4 resulta de mutações no gen SLC45A2, associado a proteina (MATP), 5p13.3 e é de herança autossômica recessiva. O gen SLC45A2 codifica a proteina 58-kd protein. A função da MATP na melanogênese é atualmente desconhecida.

Quadro clínico

  • O albinismo oculocutâneo (AOC) tipo 1 manifesta-se com ausência completa do pigmento na pele, cabelos e olhos. Todavia, alguns pacientes podem apresentar uma moderada pigmentação nesses tecidos e são denominados de AOC tipo 1b, ou o pigmento está nos folículos pilosos das áreas frias do corpo, tais como braços e pernas e são denominados albinismo oculocutâneo tipo 1ST, isso é, sensíveis à temperatura. Todas as formas de albinismo cutâneo tipo 1 apresentam fotofobia, moderada ou intensa redução da acuidade visual e nistágmo. As duas últimas disfunções resultam do cruzamento das fibras ópticas da retina para o córtex cerebral.
  • O albinismo oculocutâneo (AOC) tipo 2 não apresenta ausência completa do pigmento que se manifesta com uma quantidade mínima a moderada de pigmento na pele, cabelos e olhos. Muitos pacientes com tipo 2 podem desenvolver efélides, lentigos e/ou nevos pigmentados com a idade. As alterações oculares são semelhantes aquelas do AOC tipo1.
  • O albinismo oculocutâneo tipo 3 manifesta-se com uma redução mínima do pigmento da pele, cabelos e olhos. Essa forma de albinismo oculocutâneo é chamada de albinismo marrom. A coloração dos cabelos geralmente é amarelada ou avermelhada. A redução da pigmentação da pele e ocular somente é percebida quando é comparada aos membros da família. As alterações oculares são semelhantes as do albinismo oculocutâneo tipo 1, mas elas não são tão intensas.
  • O albinismo tipo 4 manifesta-se com um fenótipo semelhante ao do tipo 2.

Consequência do albinismo oculocutâneo

Dermatológicas

O paciente com albinismo oculocutâneo, apresenta uma pele fototipo 1, ou seja, sempre se queima e nunca se bronzeia quando da exposição solar não protegida. Essa condição da pele reduz completamente a capacidade de suportar a ação deletéria da radiação ultravioleta solar. Como consequência imediata, o albino sempre sofre queimadura solar, principalmente na infância, quando o controle é mais difícil. Além disso, na maioria das vezes, o albino acompanha os seus irmãos no lazer exposto, que normalmente possuem pele negra ou parda. A longo prazo, o efeito da radiação na pele começa ser notório, com elastose e ceratose actínica (lesão pré-maligana) já percebida na adolescência. O câncer da pele para esses pacientes que não foram fotoprotegidos e que tiveram uma vida relativamente exposta, ocorre já na fase de adulto jovem, e na maioria das vezes é múltiplo e com um comportamento biológico agressivo. O melanoma é raro nos pacientes com albinismo oculocutâneo.

O câncer da pele em albinos é bastante incomum nos países desenvolvidos porque a aceitação em se proteger do sol, tanto com filtro solar bem como com roupas e chapéus, é bem comum. Entretanto, em paises da África, por razões culturais e tipo de vestuário, o câncer da pele é bastante comum. No Brasil, também encontramos com frequência o câncer da pele em albinos, que muitas vezes são criados sem a menor proteção solar, e mais tarde, trabalham, por necessidade, em atividades externas, como na agricultura ou construção civil. Também nos albinos existe uma inversão quanto ao tipo de câncer da pele em relação à população em geral, ou seja, maior frequência de carcinoma espinocelar do que o carcinoma basocelular.

A proteção solar com roupa (camisa ou camiseta de manga longa e calças) e chapéu com aba larga que recobrem a maior parte do corpo e filtro solar previne as queimaduras, o dano solar e o câncer da pele. O exame da pele de ser realizado pelo menos cada 6 meses ou em intervalos menores.

 

Oftalmológicas

As complicações do albinismo oculocutâneo tipo 1 incluem: fotofobia, redução da acuidade visual de moderada a intensa e nistagmo. As complicações oculares no albinismo oculocutâneo tipo 2, tipo 3 e tipo 4 são semelhantes as que ocorrem no tipo 1, mas no tipo 3 elas não são intensas. Em todos os tipos também podem ocorrer ptirígeo.

Onde diagnosticar e tratar

Alagoas

Maceió

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA DA U.F.ALAGOAS

ENDEREÇO: AV. LOURIVAL DE MELO MOTA, S/Nº, TABULEIROS DOS MARTINS, MACEIÓ – AL

TELEFONE: (82) 3322-2344

E-MAIL: rosa_albuquerquehu@hotmail.com

 

Amazonas

Manaus

FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DO AMAZONAS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – FMT-AM – UEA

ENDEREÇO: AV. PEDRO TEIXEIRA, 25

TELEFONE: (92) 2127-3426

E-MAIL: fabio@francesconi.med.br

 

FACULDADE DE CIÊNCIA DA SAÚDE – UNIV. DO AMAZONAS

SERVIÇO: HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GETÚLIO VARGAS

ENDEREÇO: RUA MARTINS SANTANA, 1053, PRAÇA 14 DE JANEIRO, MANAUS – AM

TELEFONE: (92) 3633-4417 / 3659-3540

E-MAIL: coremehugv@hotmail.com

 

FUND.DE DERMAT.TROPICAL E VENEREOL ALFREDO DA MATA

SERVIÇO: FUNDAÇÃO ALFREDO DA MATA

ENDEREÇO: RUA CODAJÁS, 24, CACHOEIRINHA,  MANAUS – AM

TELEFONE: (92) 3663-4747 / 3212-8353

E-MAIL: fuam@fuam.am.gov.br;gep@fuam.am.gov.br

 

Bahia

Salvador

ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAÚDE PÚBLICA

SERVIÇO: HOSPITAL SANTA IZABEL

ENDEREÇO: PRAÇA ALMEIDA COUTO, 500, NAZARÉ, SALVADOR – BA

TELEFONE: (71) 3243-4533

E-MAIL: ermbarreto@bahiana.edu.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS

SERVIÇO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

ENDEREÇO: RUA AUGUSTO VIANA, S/Nº, CANELA, SALVADOR – BA

TELEFONE: (71) 3283-8360 / 3339-6000

E-MAIL:  dermatoclin@ig.com.br;vitoriaa@ufba.br

 

Ceará

Fortaleza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

SERVIÇO: HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO

ENDEREÇO: RUA CAPITÃO FRANCISCO PEDRO, 1290, RODOLFO TEÓFILO, FORTALEZA – CE

TELEFONE: (85) 3366-8148 / 3366-8150

E-MAIL: josewilsonaccioly@yahoo.com.br

 

CENTRO DE DERMATOLOGIA DONA LIBÂNIA

SERVIÇO: HOSP.GERAL CEZAR CALS DA SEC.DE SAÚDE DO CEARÁ

ENDEREÇO: RUA PEDRO I, 1033, CENTRO, FORTALEZA – CE

TELEFONE: (85) 3101-5452 / 3101-5431

E-MAIL: dlibania@saude.ce.gov.br

 

Distrito Federal

Brasília

HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE/SES – DF

SERVIÇO: HRAN

ENDEREÇO: SETOR MEDICO HOSPITALAR, QUADRA 101, ASA NORTE, BRASÍLIA – DF

TELEFONE: (61) 3325-4300 / 3325-4206 / 3325-4286

E-MAIL: dermahran@gmail.com

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA

ENDEREÇO: SEAN – AV. L2 NORTE – QUADRA 604/605, ASA NORTE, BRASÍLIA – DF

TELEFONE: (61)3448-5415

E-MAIL: dermatologiahub@gmail.com

 

Espírito Santo

Vitória

UFES – HOSPITAL UNIVERSIT. CASSIANO ANTÔNIO MORAES

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – UNIV.FED.ES

ENDEREÇO: AV. MARECHAL CAMPOS, 1468, MARUÍPE, VITÓRIA – ES

TELEFONE: (27) 3335-7212 / 3335-7324

E-MAIL: dcm@npd.ufes.br

 

IRM. DA STA. CASA DE MISERICÓRDIA DE VITÓRIA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – STA.CASA MISERIC. VITÓRIA – ES

ENDEREÇO: RUA DR. JOÃO DOS SANTOS NEVES, 143, PARQUE MOSCOSO, VITÓRIA – ES

TELEFONE: (27) 3212-7219

E-MAIL: jbasiliosouza@hotmail.com

 

Goiás

Goiânia

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIV. FEDERAL DE GOIÁS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA UNIV. FED. GOIÁS

ENDEREÇO: 1º AVENIDA, S/Nº, 3º ANDAR, HOSPITAL DAS CLÍNICAS, SETOR LESTE UNIVERSITÁRIO, GOIÂNIA – GO

TELEFONE: (62) 3269-8219 / 3269-8313

E-MAIL: dermatoufg@gmail.com

 

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIV. FEDERAL DE GOIÁS

SERVIÇOS: HOSPITAL DR. ANUAR AUAD – HAA

ENDEREÇO: AV. DO CONTORNO, S/Nº

TELEFONE: 3201-3632 3250-9060 / 3201-3676

E-MAIL: dep.hdt@isgsaude.org

 

Minas Gerais

Belo Horizonte

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIV.FED. DE MINAS GERAIS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSP. DAS CLÍNICAS DE MINAS GERAIS

ENDEREÇO: ALAMEDA ÁLVARO CELSO, 55, SANTA EFIGÊNIA, BELO HORIZONTE – MG

TELEFONE: (31) 3409-9560

E-MAIL: adermato@hc.ufmg.br

 

IRM. DA STA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – STA. CASA DE BELO HORIZONTE

ENDEREÇO: AV. FRANCISCO SALES, 1111 – 7º ANDAR  – ALA B, STA. EFIGÊNIA, BELO HORIZONTE – MG

TELEFONE: (31) 3238-8751

E-MAIL: jmsdermatologica@terra.com.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO MARIA APARECIDA PEDROSSIAN

SERVIÇO: SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DO HOSP.UNIV. DA UFJF

ENDEREÇO: RUA CATULO BREVIGLIERI, S/N

TELEFONE: (32) 4009-5198

E-MAIL: aloisiogamonal@terra.com.br

 

Mato Grosso do Sul

Campo Grande

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO MARIA APARECIDA PEDROSSIAN

SERVIÇO: SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DR. GÜNTER HANS HU/UFMS

ENDEREÇO: AV. SENADOR FILINTO MULLER, S/Nº, CIDADE UNIVERSITÁRIA – VILA IPIRANGA, CAMPO GRANDE – MS

TELEFONE: (67) 3345-3662

E-MAIL: gunter.derma@gmail.com

 

Mato Grosso

Cuiabá

UFMT – HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER

SERVIÇO:  DERMATOLOGIA – UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO

ENDEREÇO: RUA LUÍS PHILIPPE PEREIRA LEITE, S/Nº, ALVORADA, CUIABÁ – MT

TELEFONE: (65) 3615-7281 / 3615-7253

E-MAIL: jtmoreno@terra.com.br

 

Pará

Belém

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – UFP

ENDEREÇO: AV. GENERALÍSSIMO DEODORO (PÇA.CAMILO SALGADO), 1, UMARIZAL, BELÉM – PA

TELEFONE: (91) 3201-6814 / 3201-6817

E-MAIL: acdebrito@uol.com.br;rossanavg@globo.com

 

SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DA UNIV.DO ESTADO DO PARÁ

SERVIÇO: UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

ENDEREÇO: TRAVESSA PEREBEBUI, 2623 – DERMATOLOGIA, MARCO, BELÉM – PA

TELEFONE: (91) 3276-2023

E-MAIL: dermatouepa@globomail.com

 

Paraíba

João Pessoa

UFPB – HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

SERVIÇO: DERMATOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

ENDEREÇO: UFPB – CAMPOS I – CIDADE UNIVERSITÁRIA, S/Nº, CASTELO BRANCO, JOÃO PESSOA – PB

TELEFONE: (83) 3216-7242

E-MAIL: azzouz@globo.com

 

Pernambuco

Recife

CENTRO DE ESTUDOS DERMATOLÓGICOS DE RECIFE-CEDER

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – CEDER-PE

ENDEREÇO: AV. CRUZ CABUJÁ, 1563, SANTO AMARO, RECIFE – PE

TELEFONE: (81) 3421-4874

E-MAIL: ceder.pe@ig.com.br

 

ESCOLA PERNAMBUCANA DE SAÚDE – IMIP

SERVIÇO: IMIP – INST.MEDIC INTEGRAL PROF.FERNANDO FIGUEIRA

ENDEREÇO: RUA DOS COELHOS, 300, BOA VISTA, RECIFE – PE

TELEFONE: (81) 2122-4100 / 2126-4809

E-MAIL: dermato.imip@gmail.com;ligia.derma@gmail.com

 

SERVIÇO DE DERMATOLOGIA UNIV. FED. PERNAMBUCO

SERVIÇO: HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIV. FED. DE PERNAMBUCO

ENDEREÇO: AV. PROF. MORAIS REGO, S/Nº, CIDADE UNIVERSITÁRIA,  RECIFE – PE

TELEFONE: (81) 2126-3528

E-MAIL: josemirbelo@uol.com.br

 

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE PERNAMBUCO

DERMATOLOGIA – HOSPITAL OSWALDO CRUZ – PE

RUA ARNÓBIO MARQUES, 310, SANTO AMARO, RECIFE – PE

TELEFONE: (81) 3421-1077

E-MAIL: azzouz@globo.com

 

Jaboatão dos Guararapes

HOSPITAL OTÁVIO DE FREITAS

SERVIÇO: SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE

ENDEREÇO: RUA APRÍGIO GUIMARÃES S/Nº, TEJIPIÓ, JABOATÃO DOS GUARARAPES – PE

TELEFONE: (81) 3182-8500

E-MAIL: cldermatologicahof@hotmail.com

 

Paraná

Curitiba

IRM. DA STA. CASA DE MISERICÓRDIA DE CURITIBA -PUC

SERVIÇO: DERMATOLOGIA SANTA CASA – PUC – CURITIBA – PR

ENDEREÇO: PRAÇA RUI BARBOSA, 694, CENTRO, CURITIBA – PR

TELEFONE: (41) 3222-0842 / 3320-3554

E-MAIL: dermatologiasc@hotmail.com

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSP. DAS CLÍNICAS DO PARANÁ – UFPR

ENDEREÇO: RUA GENERAL CARNEIRO, 181, CENTRO, CURITIBA – PR

TELEFONE: (41) 3360-1800

E-MAIL: jsantamaria@uol.com.br

 

FACULDADE EVANGÉLICA DE MEDICINA DO PARANÁ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA DO HOSP.UNIV.EVANGÉLICO DE CURITIBA

ENDEREÇO: AV. SETE DE SETEMBR, 4713, BIGORRILHO, CURITIBA – PR

TELEFONE: (41) 3240-5393 / 3240-5476 / 3240-5000

E-MAIL: contatos@dermatologiahuec.com

 

Londrina

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – UNIV. EST. DE LONDRINA – PR

ENDEREÇO: AV. ROBERT KOCH, 60, VILA OPERARIA, LONDRINA – PR

TELEFONE: (43) 3371-5000

E-MAIL: minelli.dermato@sercomtel.com.br

 

Rio de Janeiro

INSTITUTO DE DERMATOLOGIA PROF AZULAY

SERVIÇO: STA.CASA MIS.RJ- PAVILHÃO SÃO MIGUEL

ENDEREÇO: RUA SANTA LUZIA, 206 – 4º ANDAR, CASTELO, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 2210-1807 / 2220-1928

E-MAIL: fale.conosco@dermato-santacasa.com.br;info@dermato-santacasa.com.br

 

HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO – RJ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA TROPICAL DO HOSP.CENTRAL DO EXÉRCITO

ENDEREÇO: RUA FRANCISCO MANOEL, 126, BENFICA, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 3891-7214 3890-4874

OBS: SOMENTE MILITARES DA ATIVA, REFORMADOS E SEUS DEPENDENTES, PENSIONISTAS, FUNCIONÁRIOS CÍVIES E SEUS DEPENDENTES

E-MAIL: depmhce@yahoo.com.br

 

HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA -I.P.G.C.CHAGAS-H.N.MARCÍLIO DIAS-RJ

ENDEREÇO: RUA CÉSAR ZAMA, 185, LINS DE VASCONCELOS, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 2599-5414

OBS: SOMENTE MILITARES E DEPENDENTES

E-MAIL: nilton.rodrigues@hnmd.mar.mil.br

 

HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO

SERVIÇO: CLÍNICA DE DERMATOLOGIA – HOSP.FEDERAL BONSUCESSO

ENDEREÇO: AV. LONDRES, 616 – PRÉDIO 6 – 2º ANDAR, BONSUCESSO, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 3977-9776

E-MAIL: dermatologiahfb@gmail.com

 

POLICLÍNICA GERAL DO RIO DE JANEIRO

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – POLICLÍNICA – RJ

ENDEREÇO: AV. NILO PEÇANHA, 38 – 6º ANDAR, CASTELO, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 2517-4266

E-MAIL: omarlupi@globo.com

 

HOSPITAL DA LAGOA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – INST.PÓS-GRAD.C. CHAGAS – LAGOA-RJ

ENDEREÇO: JARDIM BOTÂNICO, 501, JARDIM BOTÂNICO, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 3111-5390

E-MAIL: avelleira@uol.com.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTINO FRAGA FILHO-UFRJ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA DO HUCFF – UFRJ

ENDEREÇO: RUA PROFESSOR RODOLPHO PAULO ROCCO, 255, 5º AND. SALA 5B11, CIDADE UNIVERSITÁRIA – ILHA DO FUNDÃO

TELEFONE: (21) 2562-2580

E-MAIL: dermatologia@hucff.ufrj.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO – UERJ

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSP.UNIV.P.ERNESTO – UERJ

ENDEREÇO: AV. VINTE E OITO DE SETEMBRO, 77 – 2º ANDAR, VILA ISABEL, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 2868-8478

E-MAIL: dermatologia@hucff.ufrj.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE E GUINLE – UNIRIO

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – H.U. GAFRÉE E GUINLE – UNIRIO

ENDEREÇO: RUA MARIS E BARROS, 775, PRAÇA DA BANDEIRA, RIO DE JANEIRO – RJ

TELEFONE: (21) 2569-5325 / 2264-1329

E-MAIL: dermatologia_hugg@unirio.br

 

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO – UERJ

DERMATOLOGIA – HOSP.UNIV.P.ERNESTO – UERJ

AV. VINTE E OITO DE SETEMBRO, 77 – 2º ANDAR

TELEFONE: (21) 2868-8478

E-MAIL: dermhupe@uerj.br

 

Rio Grande do Norte

Natal

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO: HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES – UFRGN-RN

ENDEREÇO: AV. NILO PEÇANHA, 620, PETRÓPOLIS, NATAL – RN

TELEFONE:  (84) 3202-3719

E-MAIL: ptrindade@uol.com.br

 

Rio Grande do Sul

Porto Alegre

PUC – PORTO ALEGRE – RS

SERVIÇO:  HOSPITAL SÃO LUCAS – PUC RS

ENDEREÇO: AV. IPIRANGA, 6690, JARDIM BOTÂNICO, PORTO ALEGRE – RS

TELEFONE:  (51 ) 3339-5812

E-MAIL: dermatologia-hsl@pucrs.com.br

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFRGS

ENDEREÇO: RUA RAMIRO BARCELOS, 2350 – ZONA 13, BONFIM, PORTO ALEGRE – RS

TELEFONE:  (51 ) 3359-8571

E-MAIL: tcestari@hcpa.ufrgs.br

 

AMBULATÓRIO DE DERMATOLOGIA SANITÁRIA – RS

SERVIÇO: PROG. RESID. MÉDICA EM DERMATO – RS

ENDEREÇO: AV. JOÃO PESSOA, 1327, FARROUPILHA, PORTO ALEGRE – RS

E-MAIL: leidt@bol.com.br

 

IRM. DA STA. CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – SANTA CASA DE PORTO ALEGRE – RS

ENDEREÇO: RUA PROF ANNES DIAS, 135 – RECEPÇÃO 2, CENTRO, PORTO ALEGRE – RS

TELEFONE:  (51 ) 3214-8163

E-MAIL: dermatosantacasapoa@gmail.com

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA – HUSM

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE STA.MARIA

ENDEREÇO: AVENIDA RORAIMA, Nº 100 – CIDADE UNIVERSITÁRIA, CAMOBI, PORTO ALEGRE – RS

TELEFONE:  (55) 3220-8578 / 3220-8544

E-MAIL: wn14@terra.com.br

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE POA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – FFFCMPOA – UFCSPA – RS

ENDEREÇO: RUA SARMENTO LEITE, 245

TELEFONE: (51) 3303-9000

E-MAIL: rrbonamigo@gmail.com

 

Santa Catarina

Florianópolis

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA  – HU-UFSC

ENDEREÇO: CAMPUS UNIVERSITÁRIO, TRINDADE, FLORIANÓPOLIS – SC

TELEFONE:  (48) 3721-9133

E-MAIL: danieldermato@gmail.com

 

Sergipe

Aracaju

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE – UFS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSPITAL UNIVERSITÁRIO – UFS

ENDEREÇO: RUA CLÁUDIO BATISTA, S/Nº, SANATÓRIO, ARACAJU – SE

TELEFONE:  (79) 3218-1744

E-MAIL: fedro@infonet.com.br

 

São Paulo

Bauru

INSTITUTO LAURO DE SOUZA LIMA – SP

SERVIÇO: DERMATOL.PROF.DR.DILTOR VLADIMIR ARAÚJO OPROMOLLA

ENDEREÇO: RODOV.COMANDANTE JOÃO RIBEIRO DE BARROS,KM 225/226, CX. POSTAL 3.021, BAURU – SP

TELEFONE:  (14) 3103-5940

E-MAIL: residenciamedica@ilsl.br

 

Botucatu

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA – UNESP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – UNIV. EST. PAULISTA – FM BOTUCATU

ENDEREÇO: DEPARTAMENTO DE DERMATOLOGIA E RADIOTERAPIA, CAIXA POSTAL 530, BOTUCATU – SP

TELEFONE:  (14) 3811-6000

E-MAIL: dermato@fmb.unesp.br;haddadjr@fmb.unesp.br

 

Campinas

UNICAMP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – UNICAMP

ENDEREÇO: RUA VITAL BRASIL, Nº 251 CIDADE UNIVERSITÁRIA, ZEFERINO VAZ, CAMPINAS – SP

TELEFONE:  (19) 3521-7602

 

HOSPITAL E MATERNIDADE CELSO PIERRO – PUC CAMPINAS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – PUC CAMPINAS

ENDEREÇO: AV. JOHN BOYD DUNLOP, S/Nº, JARDIM IPAUSSURAMA, CAMPINAS – SP

TELEFONE:  (19) 3729-8496 / 3343-8496

E-MAIL: dermato@hmcp.puc-campinas.edu.br

 

Guarulhos

COMPLEXO HOSPITALAR PADRE BENTO DE GUARULHOS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – COMPLEXO HOSP.PADRE B.DE GUARULHOS

ENDEREÇO: AV. EMILIO RIBAS, 1819, GOPOÚVA, GUARULHOS – SP

TELEFONE:  (11) 2408-3013 / 2468-0966

E-MAIL: dermato.chpbg@gmail.com;dermato.chpbg@ig.com.br

 

Jundiaí

FACULDADE DE MEDICINA DE JUNDIAÍ

SERVIÇO: SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DA FAC.MED. DE JUNDIAÍ

ENDEREÇO: RUA FRANCISCO TELES, 250, VILA ARENS, JUNDIAÍ – SP

TELEFONE:  (11) 4587-1095

E-MAIL: drpaulocunha@bol.com.br

 

Marília

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – FAC. MED. DE MARÍLIA

ENDEREÇO: AV. MONTE CARMELO, 800, FRAGATA, MARÍLIA – SP

TELEFONE:  (14) 3402-1730

E-MAIL: miguel_marchi@hotmail.com

 

Mogi das Cruzes

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES – SP

SERVIÇO:HOSP.LUZIA DE PINHO MELO – UNIV.MOGI DAS CRUZES

ENDEREÇO: RUA DOM ANTONIO CANDIDO DE ALVARENGA, 170, A/C AMBULAT. DE DERMATOLOGIA – CENTRO, MOGI DAS CRUZES – SP

TELEFONE:  (11) 4798-7066

E-MAIL: steiner@uol.com.br

 

Presidente Prudente

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA – UNOESTE

SERVIÇO: HOSPITAL REGIONAL DE PRESIDENTE PRUDENTE / UNOESTE

ENDEREÇO: RUA JOSÉ BONGIOVANI, 1267, JARDIM BONGIOVANI, PRESIDENTE PRUDENTE – SP

TELEFONE:  (18) 3229-1500

E-MAIL: coremehrpp@gmail.com

 

Ribeirão Preto

FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO

SERVIÇO: DERMATOLOGIA  HOSP.DAS CLÍNS.DE RIBEIRÃO PRETO-SP

ENDEREÇO: AV. BANDEIRANTES, 3900, MONTE ALEGRE, RIBEIRÃO PRETO – SP

TELEFONE:  (16) 3602-2447 – 3633-0236

E-MAIL: amfrosel@fmrp.usp.br

 

Santo André

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – FACULDADE DE MEDICINA DO ABC

ENDEREÇO: AV. PRINCIPE DE GALES, 821, VILA PRINCIPE DE GALES,

TELEFONE:  (11) 4993-5455  / 4427-4770

E-MAIL: dermatologia@fmabc.br

 

Santo Amaro

HOSPITAL UNIVERS. WLADIMIR ARRUDA – UNIV.STO.AMARO

SERVIÇO: DERMATOLOGIA DA FAC. DE MEDIC. DA UNIV.SANTO AMARO

ENDEREÇO: RUA PROFESSOR ENÉAS DE SIQUEIRA NETO, 340, JARDIM DAS IMBUIAS, SANTO AMARO – SP

TELEFONE:  (11) 5545-8500

E-MAIL: atendimento@vitalmax.com.br

 

Santos

FUNDAÇÃO LUSÍADAS – CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADAS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – FUND. LUSÍADAS – H.GUILHERME ÁLVARO

ENDEREÇO: RUA OSWALDO CRUZ, 179, BOQUEIRÃO, SANTOS – SP

TELEFONE:  (13) 3202-1363

E-MAIL: rosecsilvestre@hotmail.com

 

São José do Rio Preto

FACULDADE ESTADUAL DE MED.DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SERVIÇO: DERMATOL.HOSP. BASE FAC.EST.MED.SÃO J.RIO PRETO

ENDEREÇO: AV. BRIGADEIRO FARIA LIMA, 5416, SÃO PEDRO, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO – SP

TELEFONE:  (17) 3201-5732 / 3201-5000 /  R 1207

E-MAIL: dip@famerp.br

 

São Paulo

COMPLEXO HOSPITALAR HELIÓPOLIS – INAMPS/SUS

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – COMPLEXO HOSP. HELIÓPOLIS

ENDEREÇO: RUA CÔNEGO XAVIER, 276, CIDADE NOVA HELIÓPOLIS -SACOMÃ, SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 2068-7468 / 2067-0566

E-MAIL: helioderma@gmail.com

 

HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL – SP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSP. SERV. PÚB. MUNICIPAL – CEDEM

ENDEREÇO: RUA CASTRO ALVES, 60, 5º ANDAR, ACLIMAÇÃO, SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 3241-3665

OBS: SOMENTE FUNCIONÁRIOS E FAMILIARES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

E-MAIL: dermatologiahspm@gmail.com

 

IRM. DA STA. CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO

SERVIÇO: CLÍNICA DE DERMATOLOGIA DO HOSP. DA STA. CASA DE SP

ENDEREÇO: RUA CESÁRIO MOTA JUNIOR, ED.CONDE LARA, 5º ANDAR, VILA BUARQUE,  SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 3223-0501 / 2176-7240 – Médico responsável: Marcus Maia

E-MAIL: secret.derma@santacasasp.org.br

 

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HC DA FAC. MED. DA UNIV. DE SP

ENDEREÇO: AV. DR. ENEAS DE CARVALHO AGUIAR, 255, 3º ANDAR, CERQUEIRA CÉSAR,  SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 2661-8002 / 2661-7936 / 2661-6904

E-MAIL: secdermat@hcnet.usp.br;dermatologia.ichc@hcnet.usp.br

 

ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA – UNIFESP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – EPM – UNIFESP

ENDEREÇO: RUA BORGES LAGOA, 508, VILA CLEMENTINO,  SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 5576-4804

E-MAIL: dermato@epm.br

 

HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL – SP

SERVIÇO: DERMATOLOGIA – HOSP. SERV. PUB. ESTADUAL DE SP

ENDEREÇO: RUA BORGES LAGOA, 1755 – 4º ANDAR, VILA CLEMENTINO,  SÃO PAULO – SP

TELEFONE:  (11) 5088-8293 / 5088-8250

OBS: SOMENTE PACIENTES REGISTADOS NO HOSPITAL

E-MAIL: dermatologiahspm@gmail.com

 

Taubaté

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE TAUBATÉ

SERVIÇO: SERVIÇO DE DERMATOLOGIA DO H.U. DE TAUBATÉ

ENDEREÇO: AV. GRANADEIRO GUIMARÃES, 270, CENTRO, TAUBATÉ  – SP

E-MAIL: samuel_mandelbaum@hotmail.com